Home Política Deputado vai ao STF contra censura dos dados da ‘reforma’ da Previdência
Falta de transparência

Deputado vai ao STF contra censura dos dados da ‘reforma’ da Previdência

Aliel Machado (PSB-PR) quer que STF suspenda tramitação na CCJ até que dados sejam mostrados. Alessandro Molon (PSB-RJ) protocolou projeto de decreto parlamentar com o mesmo propósito
Publicado por Redação RBA
19:01
Compartilhar:   
Reprodução
Parlamentares contra sigilo dos dados reforma da previdência

Aliel Machado (esquerda) e Alessandro Molon durante coletiva sobre as medidas contra o sigilo dos dados

São Paulo – O deputado federal Aliel Machado (PSB-PR) ingressou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a suspensão imediata da tramitação da “reforma” da Previdência na Câmara. A ação tem como justificativa a omissão, pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL), de dados sobre o custo da transição entre os sistemas previdenciários – do atual, de repartição, para o proposto, de capitalização –, bem como os impactos orçamentários para os próximos anos e a compatibilidade junto ao Novo Regime Fiscal aprovado em 2016.

O ministro Gilmar Mendes foi designado relator do mandado, que cita o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (MDB-RJ), e o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputado Felipe Francischini (PSL-PR).

Segundo Aliel Machado, a Constituição prevê que o parecer da CCJ tenha de seguir os “aspectos de constitucionalidade, legalidade, juridicidade, regimentalidade e de técnica legislativa”. Caso esses pontos sejam desrespeitados, a Comissão estará ignorando sua função primordial. O mandado pede concessão de liminar que obrigue a apresentação dos dados sobre a reforma para a avaliação da CCJ.

“Entramos com um Mandado de Segurança no STF pedindo a suspensão imediata da tramitação da Reforma da Previdência na CCJ. Não é possível alterarmos a Previdência sem transparência e sem os dados que embasam a proposta do governo. Nós exigimos o cumprimento da Constituição”, afirmou, por meio de sua conta no Twitter.

Hoje (22), o deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ) protocolou projeto de decreto legislativo (PDL) contra a imposição de sigilo pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) sobre os dados que fundamentariam a proposta de “reforma” da Previdência. “Consideramos extremamente grave que o governo esconda do parlamento os números que fundamentaram a preparação da proposta. Por que o governo está se negando a mostrar para o parlamento e para o país os números? Qual o interesse do governo de esconder esses dados? Será que o parlamento, o país, os brasileiros e as brasileiras que serão afetados por essa reforma extremamente dura não têm o direito de saber quais são os números que levaram a essa decisão?”, questionou Molon durante entrevista coletiva.

No entender de Molon, a tramitação na CCJ e os trabalhados na comissão especial não devem ter início sem que esses dados sejam apresentados. “Não é razoável que se peça ao parlamento para votar às escuras. A regra, em uma república, é a transparência. O sigilo é a exceção. Não faz sentido debater uma reforma como essa que afeta a vida de todos impondo-se o sigilo”.

Quanto ao argumento do governo, de que os dados fazem parte de um ato preparatório, Molon afirmou que “o ato se exauriu a partir do momento que a proposta foi enviada à Câmara”. “A partir desse momentos, os atos não são mais preparatórios. Não existe nenhuma razão jurídica, democrática, republicana que justifique esse sigilo que não concordamos em hipótese alguma.”