Home Política Deputado pede ao MPF que investigue acordo da Lava Jato com Odebrecht
Sob suspeitas

Deputado pede ao MPF que investigue acordo da Lava Jato com Odebrecht

Multa paga no valor de R$ 8,5 bilhões pela empreiteira, em vez de ir para União, teve repassada à conta da operação R$ 6,8 bilhões. Acordo público teve trecho de destino censurado por Moro
Publicado por Redação RBA
12:27
Compartilhar:   
José Cruz/Abr
Moro acordo Odebrecht

“Enquanto 150 mil trabalhadores da Odebrecht foram demitidos, procuradores fazem gestão de R$ 6,8 bilhões”, destaca Jorge Sola

São Paulo – O deputado federal Jorge Solla (PT-BA) apresentou nessa terça-feira (2) uma representação ao Ministério Público Federal (MPF) em que pede a abertura de um inquérito para investigar a destinação de uma multa aplicada sobre a Odebrecht, no valor de R$ 6,8 bilhões, em acordo de leniência firmado entre o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e a Lava Jato.

Homologado no Brasil em 2016 pelo agora ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, o acordo levanta suspeitas de gestão privada por parte da força-tarefa da Lava Jato, semelhante ao da Petrobras, em que procuradores da operação pretendiam direcionar a multa paga no valor de R$ 2,5 bilhões para uma fundação de direito privado que seria administrada por eles. No caso Odebrecht, o valor total de R$ 8,5 bilhões seria repartido, com 80% do total, R$ 6,8 bilhões, repassados para um conta da Lava Jato e não do Tesouro Nacional conforme estabelece a jurisprudência, de acordo com o site Conjur.

Em março, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes suspendeu a criação da entidade por entender que cabe à União a gerência do dinheiro público, e não à Lava Jato. Tendo em vista esse entendimento, o deputado moveu a ação que investiga ainda Moro e o coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol, uma vez que, embora o acordo seja público, o trecho que trata da destinação da multa foi posto sob sigilo pelo então juiz, no chamado “Apêndice cinco”.

Ao jornalista Rafael Garcia, da Rádio Brasil Atual, Jorge Solla explica que a representação pretende quebrar o sigilo dos documentos e garantir a devolução da multa aos cofres públicos. “Agora a gente começa a entender melhor os objetivos que estão por trás da forma como a Lava Jato trabalhou. Enquanto 150 mil trabalhadores da Odebrecht foram demitidos e estão amargando nas filas do desemprego, procuradores passaram a fazer gestão de R$ 6,8 bilhões”, destaca o deputado.

Ouça a entrevista