Contraponto

Casagrande critica reforma da Previdência em ato com governadores do Sul/Sudeste

Governador do Espírito Santo marca posição do PSB contra capitalização, desconstitucionalização, perdas do BPC e aposentadoria rural. E fala em “prejuízo” aos pobres, que Bolsonaro ignora

Rovena Rosa/ABR
Governadores Sul Sudeste

Renato Casagrande (PSB), segunda da esquerda para a direita, destoou do pensamento único dos demais colegas da região

São Paulo – “Sou contra mudar as regras da prestação continuada (BPC) e da aposentadoria rural, também acho um prejuízo para o mais pobre acapitalização da forma que o governo federal está apresentando. Acho que desconstitucionalizarpontos da Previdência é colocar em risco muito grande o que se conquistou nos últimos anos.” Assim o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, anunciou sua posição em encontro com governadores das regiões Sul e Sudeste, realizado no sábado (27), para anunciar apoio à “reforma” da Previdência.

Em tom firme, o governador capixaba reafirmou posição de seu partido no Congresso, o PSBcontrário à Proposta de Emenda à Constituição 6/2019, – a PEC que restringe o acesso à aposentadoria e está em tramitação na Câmara – e fez um contraponto contundente listando alguns dos pontos mais graves do texto numa mesa rodeada de apoiadores de Bolsonaro.

Ao lado dos outros seis chefes do executivo da região, assinou carta de apoio, mas com ressalvas de que a reforma da Previdência tem de enfrentar um problema grave no Brasil, que é a concentração de riqueza. 

A posição de Casagrande é mais próxima à dos governadores do Nordeste, que de forma unânime manifestaram-se contrários à reforma da Previdência. Em reunião do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste), realizada em março, criticaram, ainda medidas que facilitem o acesso a armas e que retirem recursos de áreas da saúde, educação e assistência social.

A recepção foi realizada no Palácio dos Bandeirantes, organizada pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Participaram ainda Romeu Zema (Novo-MG), Carlos Moiséis (PSL-SC) e Eduardo Leite (PSDB-RS). Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro, e Ratinho Júnior (PSD), do Paraná, foram representados pelos respectivos vices, Cláudio Castro (PSC) e Darci Piana (PSD).

Doria chegou a falar na possibilidade de a reforma ser “desidratada” para uma economia fiscal de R$ 800 bilhões em 10 anos. A referência aos R$ 800 bilhões foi feita dias depois de o presidente Jair Bolsonaro ter dito a jornalistas que esse seria o valor mínimo aceitável pelo governo federal. O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem falado em um piso de R$ 1 trilhão.

A “meta” foi criticada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em entrevista histórica concedida à Folha de S.Paulo e ao El País, na sexta-feira (26). Lula criticou a “obsessão” do atual governo em destruir a soberania nacional, destruir empregos, e em juntar R$ 1 trilhão à custa dos aposentados. “Para quê? Se eles lessem alguma coisa de (economia) eles saberiam que esse cidadão aqui analfabeto, quarto ano primário e curso de torneiro mecânico juntou 370 bilhões de dólares em reservas, com dólar a 4 reais, sem causar nenhum prejuízo a nenhum brasileiro.”

O ex-presidente ainda sugeriu uma fórmula ao atual governo para juntar o tal R$ 1 trilhão. “Eis aqui o segredo: primeiro, coloque o pobre no orçamento da União. Segundo: gere emprego. Terceiro: gere crédito para as pessoas. Agora um governo que não gera emprego, não gera salário quer tirar 1 trilhão do aposentado? O Guedes precisava criar vergonha. Onde ele fez esse curso de Economia dele? Se ele quiser me visitar aqui eu discuto com ele como é que a gente resolve o problema dos pobres sem causar prejuízo aos pobres.”

Os governadores reunidos no encontro cobraram ainda a aprovação no Congresso Nacional do plano do governo federal de socorro aos estados, conhecido como Plano Mansueto.

Essa foi a segunda reunião do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud). As próximas estão previstas para 25 de maio, no Rio Grande do Sul, e 13 de julho, no Espírito Santo.