blindagem

‘Agendas de Paulo Guedes e de Moro se complementam’, diz Vitor Marchetti

Na avaliação do cientista político, ministro da Justiça atua para barrar resistência popular contra as políticas econômicas do governo Bolsonaro

Fátima Meira/Futura Press/Folhapress
Sergio Moro e Paulo Guedes

‘Guedes precisa que o Moro faz terra arrasada de todo o sistema político e social’, diz professor da UFABC

São Paulo – Para o cientista político e professor da Universidade Federal do ABC (UFABC) Vitor Marchetti, a agenda ultraliberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, e a de “desarticulação social” do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, são complementares. Em sua avaliação, para evitar resistência popular contra as políticas econômicas do governo Bolsonaro, o ex-juiz federal tenta minar a capacidade de mobilização da sociedade.

“Você destrói a capacidade de mobilização e articulação civil dos que defendem políticas públicas. O Guedes precisa que o Moro faça terra arrasada de todo o sistema político e social e o ex-juiz se beneficia, porque seus privilégios foram mantidos”, explica.

O cientista político lembra de outros momentos da história do Brasil onde os movimentos sociais barraram agendas ultraliberais, como na tentativa de iniciar um processo de privatização da Petrobras durante o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), na década de 1990.

O atual governo promete tipificar as manifestações de movimentos sociais como terrorismo. “É uma espécie de lawfare“, afirmou o professor aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria na Rádio Brasil Atual. 

Crise governamental

O ministro Moro se recusou a responder questionamento do Psol, por meio da Lei de Acesso à Informação, sobre se representantes da empresa Taurus estiveram no ministério antes da edição do decreto que flexibilizou as regras para posse de armas. Ele alegou direito à privacidade. 

O cientista político criticou a postura. “O ministro da Justiça se reúne com o maior fabricante de armas do país, às vésperas de um decreto que flexibiliza a posse de armas, não é de interesse público? Ele parece ter mais uma atuação de produzir a blindagem da Presidência.”

Marchetti também comentou as polêmicas envolvendo a família Bolsonaro e Gustavo Bebianno, ministro da Secretaria-Geral da Presidência, após as denúncias de repasses de verba pública feitos para candidatas laranjas durante a eleição de 2018.

De acordo com o cientista político, em 46 dias de governo, Bolsonaro provou que é realmente o “novo” dentro da política. “O que vemos é algo nunca visto na República. Em 46 dias, que já parecem um ano, articulações desencontradas, organização das bancadas à margem dos partidos, lavagem de roupa suja em público, ministro que divulga áudio do presidente…”, ironizou.

“Fritar o Bebianno mostra como a política brasileira se desintegrou. O PSL é principal partido no Congresso, mas ele não é orgânico nem articulado, eles mesmos divergem. O que vai sobrar nesse ‘cada um por si’ é uma dificuldade de a gente prever as próximas movimentações”, analisa.