Home Política Para Boff, decisões judiciais sobre velório do irmão confirmam prisão política de Lula
estado de exceção

Para Boff, decisões judiciais sobre velório do irmão confirmam prisão política de Lula

Na visão do teólogo, filósofo e escritor Leonardo Boff, impedir o ex-presidente de se despedir do irmão prova a arbitrariedade do Estado e da Justiça brasileira
Publicado por Redação RBA
11:41
Compartilhar:   
Arquivo EBC
Leonardo Boff

Boff ainda comentou o quão irônico será o estado brasileiro levar Lula para receber o Nobel da Paz, caso o ex-presidente vença

São Paulo – Para o teólogo, filósofo e escritor Leonardo Boff, o mais novo episódio de restrição judicialque impediu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de comparecer ao enterro de seu irmão Vavá reafirma o caráter político da sua prisão. Em entrevista ao jornalista Rafael Garcia, na Rádio Brasil Atual, Boff, amigo de Lula há mais de 30 anos, classificou a atuação da Justiça como “uma crueldade sem tamanho e de profunda desumanidade” por ignorar o direito à saída previsto na Lei de Execução Penal a todos os presos em casos de óbitos de familiares. Isso, para ele, indica o Estado de exceção estabelecido no Brasil.

“Mostra o tipo de governo e de Estado que nós temos, um Estado fascistoide que não demonstra nenhum sentimento. Parece aqueles comandantes dos campos de extermínio nazistas que se divertiam atirando para os prisioneiros e os vendo cair. Aqui, simbolicamente ocorre isso. Lula é mantido – e há prova disso – como preso político”, lamenta o teólogo.

Boff agora espera pelo confirmação da candidatura de Lula ao Prêmio Nobel da Paz para confrontar essa situação de injustiça. “A grandeza seria se ele recebesse esse prêmio e o governo brasileiro tivesse que levá-lo para Estocolmo”, ironiza. 

Ouça a entrevista: