Queiroz

Filho de Bolsonaro não atende a chamado do Ministério Público para depor

Senador eleito disse que pediu cópia dos autos e afirma que irá depor quando tiver ciência do processo. E reafirmou que não pode ser 'responsabilizado por atos de terceiros'

Reprodução Facebook
silêncio

Senador eleito rechaça referência a ‘laranja’ e quer se inteirar antes de atender procuradores

São Paulo – Como previsto, o deputado estadual fluminense e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) não compareceu hoje (10) ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). Ele era esperado para prestar depoimento sobre movimentações do ex-assessor Fabrício Queiroz consideradas atípicas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) – órgão agora subordinado ao ministro da Justiça Sérgio Moro. 

Em nota publicada no Facebook, ele afirmou que foi notificado apenas na última segunda-feira (7), às 12h19, e por não ser investigado ainda não teve acesso aos autos. “No intuito de melhor ajudar a esclarecer os fatos, pedi agora uma cópia do mesmo para que eu tome ciência de seu inteiro teor”, escreveu. Na mesma mensagem, Bolsonaro filho comprometeu-se “a agendar dia e horário para apresentar os esclarecimentos, devidamente fundamentados”, ao Ministério Público, “para que não restem dúvidas sobre minha conduta”.

“Reafirmo que não posso ser responsabilizado por atos de terceiros, como parte da grande mídia tenta, a todo custo, induzir a opinião pública”, conclui o parlamentar. 

Na última terça (8), a mulher e as filhas do ex-assessor, igualmente citadas no relatório do Coaf, também não compareceram para depor. A alegação da defesa é de que a família está em São Paulo para acompanhar Queiroz, que passou por cirurgia para retirada de um tumor e teve alta hospitalar.