Home Política Centrais pedem diálogo com Bolsonaro em defesa de direitos
Democracia

Centrais pedem diálogo com Bolsonaro em defesa de direitos

Entidades afirmam que ônus do ajuste fiscal não pode ficar com os trabalhadores e que criação de empregos depende de crescimento sustentado
Publicado por Redação RBA
18:13
Compartilhar:   
Roberto Parizotti/CUT
centrais

Sindicalistas afirmam que negociação ‘representa “a via civilizada para construção de consensos políticos, econômicos e sociais’

São Paulo – As seis centrais sindicais reconhecidas formalmente divulgaram, nesta terça-feira (1º), mensagem endereçada ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) em que reivindicam abertura de diálogo “em benefício dos trabalhadores e do povo brasileiro”. As entidades afirmam que o possível ônus do ajuste fiscal não pode ficar com os assalariados e que a criação de empregos “depende, fundamentalmente, do crescimento sustentado e vigoroso da economia e da melhoria do ambiente de negócios”.

De acordo com os dirigentes, “faz parte do jogo democrático investir num amplo processo de negociação política”. Esse diálogo, incluindo os representantes organizados da sociedade, é “a via civilizada para construção de consensos políticos, econômicos e sociais”. 

Eles lembram que já existe um processo de “desmonte” em curso, que incluiu a “reforma” trabalhista e as planejadas mudanças na Previdência, além do “congelamento” da política de valorização do salário mínimo.

Assim, as centrais esperam que todas as medidas que envolvam os trabalhadores “passem por um amplo processo de discussão e negociação”. E argumentam que a defesa dos direitos sociais “é totalmente compatível com a construção de um país mais justo, democrático, moderno e desenvolvido”.

Leia a íntegra do documento:

As Centrais Sindicais que firmam a presente vem, respeitosamente, apresentar-se à Vossa Excelência com a disposição de construir um diálogo em benefício dos trabalhadores e do povo brasileiro.

Neste diálogo representamos os trabalhadores, penalizados pelo desemprego que atinge cerca de 12,4 milhões de pessoas, 11,7% da população economicamente ativa (IBGE/PNAD, novembro de 2018) e pelo aumento da informalidade e consequente precarização do trabalho. Temos assistido ao desmonte de direitos historicamente conquistados, sendo as maiores expressões desse desmonte a reforma trabalhista de 2017, os intentos de reduzir direitos à aposentadoria decente e outros benefícios previdenciários, o congelamento da política de valorização do salário mínimo e os ataques à organização sindical, as maiores expressões deste desmonte. Preocupa-nos sobremaneira o destino da política de valorização do salário mínimo, do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, do Seguro Desemprego, do Abono Salarial, das políticas de intermediação de mão de obra e de qualificação profissional, tão fundamentais neste momento de crise econômica.

Embalados por certa retórica liberal, setores do novo governo falam em descarregar todo o ônus do ajuste fiscal nas costas dos trabalhadores e aposentados, quando já é sabido que geração de empregos de qualidade, salários crescentes e mais direitos depende, fundamentalmente, do crescimento sustentado e vigoroso da economia e da melhoria do ambiente de negócios.

Os trabalhadores, representados pelos seus Sindicatos, Federações, Confederações e Centrais Sindicais não abdicarão do direito constitucional e democrático de defender e lutar por um programa que contemple a geração de trabalho decente, a valorização do salário mínimo e o fortalecimento das negociações coletivas. Essa condição nos obriga a exercer a representação plena dos trabalhadores junto ao vosso Gabinete, aos vossos Ministros, assim como na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, nos fóruns, colegiados de órgãos públicos e demais espaços que possuam composição tripartite, nos quais estejam em discussão assuntos que se referem ao mundo do trabalho e emprego.

Faz parte do jogo democrático investir num amplo processo de negociação política, que envolva o Governo Federal, o Parlamento, a sociedade civil e os seus segmentos organizados, como a via civilizada para construção de consensos políticos, econômicos e sociais fundamentais ao êxito de qualquer administração e do desenvolvimento do Brasil.

Neste sentido, nós, representantes das Centrais Sindicais, esperamos que todas as medidas que atinjam os trabalhadores passem por um amplo processo de discussão e negociação e reiteramos que a necessária defesa dos direitos dos trabalhadores é totalmente compatível com a construção de um país mais justo, democrático, moderno e desenvolvido.

Receba nossas saudações classistas e sindicais.

Atenciosamente,

Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Miguel Eduardo Torres, presidente da Força Sindical

Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT)

Adilson Araújo, presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)

José Calixto Ramos, presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST)

Antônio Neto, presidente da Central de Sindicatos Brasileiros (CSB)