Home Política Procuradoria questiona irregularidades em contas de campanha de Arthur ‘Mamãe Falei’
eleições

Procuradoria questiona irregularidades em contas de campanha de Arthur ‘Mamãe Falei’

Documento lista problemas na comprovação de gastos e nos recursos arrecadados
Publicado por Redação RBA
10:38
Compartilhar:   
REPRODUÇÃO/YOUTUBE
Arthur Mamãe Falei

Youtuber Arthur do Val, o Mamãe Falei, é integrante do Movimento Brasil Livre (MBL) e foi eleito deputado estadual pelo DEM

São Paulo – A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) de São Paulo recomendou a reprovação das contas da campanha do deputado estadual eleito Arthur do Val, o Mamãe Falei(DEM-SP). A decisão foi assinada pelo procurador Luiz Carlos dos Santos Gonçalves e segue o parecer da equipe técnica do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP).

De acordo com o processo, a prestação de contas do deputado possui 11 irregularidades e impropriedades. Um deles é descumprimento quanto à entrega dos relatórios financeiros de campanha, em relação as doações. Mais de R$ 54 mil não estão sem relatórios financeiros.

O TRE também identificou o recebimento indireto de recursos através de fontes vedadas de arrecadação. Entre as irregularidades também foram detectadas inconsistências na situação fiscal dos doadores, e até contribuintes com CPF cancelado “por óbito”.

O relatório aponta ainda realização de jantar de arrecadação sem comunicação prévia à Justiça Eleitoral, recursos repassados pelo deputado federal eleito Kim Kataguiri (DEM-SP) sem a emissão de recibo eleitoral, além de divergências nas despesas da campanha, com uma sobra de R$ 55.665,63.

“As falhas apontadas, sobre as quais o requerente teve a oportunidade de se manifestar, comprometem a regularidade e a confiabilidade das contas, além de impedir a sua análise e fiscalização pela Justiça Eleitoral, diz o documento assinado pelo procurador.

De acordo com a assessoria do deputado eleito, parte dos valores vem de vaquinhas virtuais sem sem relatório financeiro“O TRE entende isso como doação, mas é só repasse da vaquinha. O Arthur foi o recordista em doações individuais, o que dificulta a análise de todos os doadores”, diz a defesa.

Sobre o dinheiro doado através de CPFs de mortos, a assessoria diz que a pessoa pode ter feito a doação e falecido ou de má fé para prejudicar a prestação de contas do candidato