Home Política Padre Júlio mostra que poder público ainda está longe de atender moradores de rua
burocracia estatal

Padre Júlio mostra que poder público ainda está longe de atender moradores de rua

Programa 'Entre Vistas' desta terça-feira, na TVT, traz o coordenador da Pastoral do Povo de Rua e defensor dos direitos humanos
Publicado por Redação RBA
17:31
Compartilhar:   
divulgação
padre julio no entrevistas 18dez.jpg

Padre Júlio: ‘Enquanto estivermos nesse sistema socioeconômico e político, não muda a situação da população de rua’

São Paulo – A realidade dos moradores de rua, pouco conhecida do cidadão brasileiro, e ideias de políticas públicas mais consistentes para o atendimento dessa população estarão em debate no programa Entre Vistas desta terça-feira (18), na TVT. O convidado é o coordenador da Pastoral do Povo de Rua e defensor dos direitos humanos padre Júlio Lancellotti.

Uma das bandeiras preconizadas pelo padre é uma mudança completa no modelo de atuação do poder público, que atualmente, graças à burocracia, despende recursos sem que os benefícios efetivamente cheguem a quem precisa. É o caso da prefeitura de São Paulo que, lembra o padre, gasta cerca de R$ 1.500 por mês com cada morador, em uma capital que tem perto de 25 mil moradores de rua, “mas isso não chega na pessoa, o que chega é a salsicha”, afirma ao jornalista Juca Kfouri, que apresenta semanalmente o programa.

Padre Júlio defende, por exemplo, como modelo de política pública, a locação social – sistema em que a pessoa aluga uma habitação para pagar 10% do que ela ganha, e morar por quanto tempo precisar sem que o imóvel tenha de ser sua propriedade. “A locação social diminuiu a população de rua em 50% em Lisboa”, destaca o padre, referindo-se ao modelo que prosperou na Europa, sobretudo depois da 2ª Guerra Mundial, para atacar os graves problemas sociais que restaram do período.

“Nós estamos trabalhando por isso (locação social). A pessoa tem direito de morar sem ter o direito de propriedade. A propriedade não é dela, mas ela pode morar por tempo indeterminado, tendo a chave da sua porta e com autonomia para fazer sua comida, e organizar o seu espaço. E ela vai pagar 10% do que ela é capaz de ganhar em suas atividades, como a reciclagem, guardando carros, seja lá o que for. Esse é o melhor caminho, mas ele não anda”, afirma.

Indagado também quanto às perspectivas dos moradores de rua com o governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL), de conservadorismo radical, o padre não mostra muitas esperanças. “Eu acredito que vai ser um processo longo e difícil. O próprio Papa Francisco chama a atenção para o descarte. Essa é uma população descartada e ela faz parte da lógica do sistema. Não se muda o resultado dessa lógica sem mudar o sistema. Enquanto estivermos nesse sistema socioeconômico e político, não muda a situação da população de rua”, afirma Júlio Lancellotti.

O padre também considera que um dos principais entraves para o atendimento à população de rua avançar está na cultura arraigada do neoliberalismo que, segundo ele, não é só uma questão econômica, política e social. “Ele é interiorizado, ele passa a ser cultural e pessoal. Isso hoje os cientistas sociais discutem muito, isso entrou nas pessoas. A população de rua causa uma repulsa, porque a vida dela é toda pública.”

O programa contou também com a participação da psicóloga e educadora social Luana Bottini, que atuou durante a gestão de Fernando Haddad (PT) na prefeitura de São Paulo como coordenadora de Políticas para População em Situação de Rua; e Vera Marchione, diretora do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

Confira o Entre Vistas desta terça: