Crime

Ex-governador do ES, Gérson Camata é assassinado a tiros em Vitória

Gérson Camata, filiado ao PSDB, exerceu ainda mandato no Senado de 1987 a 2011 e foi deputado constituinte; polícia prendeu um homem suspeito, que presta depoimento

Geraldo Magela/Agência Senado
Gérson Camata foi assassinado a tiros

Gérson Camata foi vereador, deputado federal e participou da elaboração da Constituição de 1988

São Paulo – O ex-governador do Espírito Santo e ex-senador Gérson Camata, foi assassinado a tiros na tarde de hoje (26), na Praia do Canto, em Vitória. Conforme testemunhas, o político de 77 anos foi alvejado por um motociclista na esquina da Rua Joaquim Lírio com a Rua Chapot Presvot, que fugiu em seguida. Por volta das 18 horas, um homem suspeito foi detido e levado para depor no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Ainda não se sabe as razões do crime e nem foi divulgada a identidade.

Filiado ao PSDB, Camata foi senador por 24 anos ininterruptos (1897 a 2011). Governou o estado de 1983 a 1986 e foi deputado federal de 1975 a 1983, tendo participado da elaboração da Constituição federal de 1988.

Era casado com Rita Camata, também filiada ao PSDB, deputada federal de 1987 a 2011. Ela ficou muito conhecida por ter relatado o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Gérson Camata começou a vida política como vereador de Vitória, em 1967, pela Aliança Renovadora Nacional (Arena), legenda de sustentação do regime civil-militar (1964-1985). Curiosamente, foi enquadrado na Lei de Segurança Nacional por ter chamado o presidente João Figueiredo (1979-1985) de “general mentiroso”.

Em abril de 2009, foi acusado por seu assessor, o economista Marcos Andrade, em entrevista ao jornal O Globo, de receber propina de empreiteiras e apresentar contas adulteradas, inserindo gastos inexistentes e recibos falsos, o que Camata negou.

Leia também

Últimas notícias