Home Política TSE desmente boato de fraude na urna compartilhado pelo filho de Bolsonaro
eleições 2018

TSE desmente boato de fraude na urna compartilhado pelo filho de Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro compartilhou nas redes sociais um vídeo manipulado, em que uma pessoa acusa que a urna eletrônica está registrando voto antes de terminar a digitação
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
17:27
Compartilhar:   
Reprodução
TSE

TSE publicou desmentido no início da tarde de hoje, mas informações falsas sobre fraude e problemas estão proliferando

São Paulo – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desmentiu no início da tarde de hoje (7) um vídeo compartilhado pelo candidato a senador Flávio Bolsonaro (PSL), filho do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), em que uma pessoa acusa que a urna eletrônica estaria encerrando o registro de voto antes de ser concluída a digitação.

“A Justiça Eleitoral esclarece que a mensagem que circula em redes sociais e aplicativos de bate-papo sobre a ausência de processamento de todos os votos na urna eletrônica é falsa”, diz a nota do TSE.

“A informação falsa trata principalmente do voto para presidente, como se a urna não estivesse processando o voto. (…) A Justiça Eleitoral esclarece que um vídeo que circula na internet no qual a urna, supostamente, ‘auto completa’ o voto para presidente também é falso. Os vídeos não mostram o teclado da urna, onde uma pessoa digita o restante do voto. Não existe a possibilidade de a urna auto completar o voto do eleitor, e isso pode ser comprovado pela auditoria de votação paralela, nos mesmos vídeos”, esclarece o tribunal.

A chefe da missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Laura Chinchilla, ex-presidente da Costa Rica, afirmou que inspeções feitas pelo grupo não encontraram até o momento nenhum indício de vulnerabilidade no sistema de votação eletrônica no Brasil. “Não encontramos até esse momento nenhum aspecto que possa gerar suspeita sobre a possibilidade de haver uma vulnerabilidade no sistema de voto eletrônico”, frisou, acrescentando que “o processo tem evoluído com muita normalidade, dentro do que parece ser a tradição do Brasil”. 

O vídeo foi divulgado Flávio com alarmismo: “Está acontecendo diante de nossos olhos. Aperta a tecla 1 para presidente e aparece o indicado do presidiário! Quem souber onde aconteceu isso, favor me enviar zona e seção. @TSEjusbr”, escreveu Bolsonaro. As imagens mostram uma pessoa digitando o número “1”. Antes de digitar o “3”, aparece a foto do candidato à Presidência Fernando Haddad (PT). O vídeo foi feito de forma a confundir quem assiste, pois não mostra toda urna. Segundo o TSE, o material foi editado. Após o desmentido, o candidato ao Senado apagou a postagem.

Ainda segundo o TSE, outro boato diz respeito ao tempo de processamento das urnas. “São utilizados diferentes modelos de urnas eletrônicas nas seções eleitorais em Minas Gerais, e a velocidade de processamento e posterior encerramento dos votos, após o eleitor apertar a tecla confirma, é diferente de acordo com o modelo da urna eletrônica. A urna mais atual – modelo 2015 – processa os votos mais rapidamente que a urna mais antiga – por exemplo, modelo 2008”, diz a nota. Também há vídeos mostrando o funcionamento das urnas.

Desde a manhã, as redes sociais ficaram cheias de fakenews e boatos sobre mau funcionamento e fraudes nas urnas. Vídeos de pessoas dizendo que não conseguiam votar em algum candidato tiveram milhares de compartilhamentos. O TSE, no entanto, não teve registro oficial deste tipo de problema até o momento. Além disso, urnas com problema de funcionamento são relativamente comuns. Até as 14 horas de hoje, 964 urnas foram trocadas, o que indica uma melhora em relação às últimas eleições presidenciais. Em 2014, das 361.435 urnas sem identificação biométrica utilizadas no 1° turno, 3.693 foram substituídas.