Home Política Propaganda eleitoral de Doria distorce dados de criação de vagas em creche
Desmentido

Propaganda eleitoral de Doria distorce dados de criação de vagas em creche

Ex-prefeito diz ter criado maior número de vagas da história, mas dados não batem com números oficiais da Secretaria Municipal da Educação
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
18:13
Compartilhar:   
Marcell Roncon/Futura Press/Folhapress
doria

Na educação, como em outras áreas, a gestão Doria foi marcada por cortes e redução de políticas públicas

São Paulo – O ex-prefeito da capital paulista e candidato ao governo de São Paulo João Doria (PSDB) apresenta dados exagerados sobre a matricula de crianças em creches nos 15 meses em que esteve à frente do Executivo municipal. Segundo sua página oficial, sua gestão teria criado 41.703 vagas em creches da cidade. No entanto, observados os dados oficiais da Secretaria Municipal da Educação, o número é bem inferior ao apresentado: 25.675 novas matrículas efetivadas. Além disso, Doria descumpriu promessa de zerar a espera por vagas em um ano e deixou a prefeitura com 57.819 crianças na fila.

Em dezembro de 2016, último mês do mandato de Fernando Haddad (PT), havia 284.179 crianças matriculadas em creches. Em 30 de março deste ano, o número de matrículas registradas na Secretaria era de 309.854. Ou seja, foram criadas 25.675 novas matrículas. Cerca de 16 mil vagas a menos do que a propaganda de Doria afirma. Outras 14.202 vagas foram “autorizadas” no período, mas não estavam atendendo crianças. Além disso, a gestão matriculou crianças em unidades que ainda estavam em construção.

Doria também afirma ter melhorado a merenda escolar. No entanto, reduziu as compras de alimentos orgânicos e da agricultura familiar para a alimentação dos alunos e propôs a distribuição de ração humana – chamada de farinata – para as crianças das escolas municipais. Após a repercussão negativa das propostas, recuou, autorizou compras de orgânicos e desistiu da ração.

Com o objetivo de aumentar o número de vagas, a gestão Doria fechou salas de leitura, bibliotecas e outros espaços pedagógicos para instalar salas de aula. Também encerrou o atendimento em tempo integral de pré-escolas da região central da cidade. O então prefeito determinou ainda o corte do programa Leve Leite, que passou a atender 223 mil famílias, das 916 mil que eram atendidas até 2016. Também realizou alterações no Transporte Escolar Gratuito (TEG) que deixaram milhares de crianças sem condução para a escola.

A gestão Doria também manteve crianças em uma creche cujo terreno está contaminado por chumbo e mercúrio na região do Bom Retiro. O Ministério Público determinou a retirada das crianças em dezembro do ano passado, quando o candidato ainda era prefeito, mas a ação só foi realizada em julho deste ano, após reiterados pedidos do MP. E cortou a verba destinada à construção de oito Centros Educacionais Unificados (CEU) que estão paralisados desde o final de 2016.