Home Política Ciro agradece votos recebidos, repele Bolsonaro e telefona para Haddad
TERCEIRO LUGAR

Ciro agradece votos recebidos, repele Bolsonaro e telefona para Haddad

Candidato prometeu anunciar nesta segunda-feira a posição que será tomada pelo seu partido. “Só digo que tenho histórico de defesa da democracia e contra o fascismo”, ironizou
Publicado por
22:00
Compartilhar:   
divulgação
cirogomes.jpg

Ciro: “Todos sabem do meu histórico de defesa da democracia e contra o fascismo”

Brasília – Demonstrando bom humor, o candidato à Presidência da República pelo PDT, o ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes disse há pouco, de sua casa, em Fortaleza, que só tem a agradecer aos brasileiros pelo número expressivo de votos que obteve. Ciro figurou em terceiro lugar no resultado das eleições – que definiram segundo turno entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).

O cearense afirmou que só poderá dizer como vai se comportar no segundo turno depois de conversar com os demais representantes do seu partido. Mas já adiantou posição contra Bolsonaro: “Não sei ainda o que vou decidir, mas todos sabem do meu histórico de defesa da democracia e contra o fascismo”.

Haddad, no seu pronunciamento para agradecer os votos recebidos, confirmou que Ciro Gomes foi um dos candidatos deste primeiro turno que ligaram para ele, além de Marina Silva, da Rede, e de Guilherme Boulos, do Psol.

Ciro Gomes, que fez diversas críticas a Fernando Haddad ao longo da campanha eleitoral, não descartou a possibilidade de o PDT, em particular o seu grupo político, se aliar ao PT no segundo turno.  Até porque seu irmão, Cid Gomes, foi eleito senador mais votado do Ceará e o governador do Ceará, que conta com o apoio dos Gomes, Camilo Santana, que é do PT, foi reeleito já no primeiro turno.

“Vou agora descansar um pouco e comemorar a vitória de Camilo. Vocês já viram que os cearenses são muito politizados. Aguardem”, afirmou, rindo, para os jornalistas.

Voto útil

A candidata pela Rede Sustentabilidade, a ex-senadora Marina Silva, se pronunciou há pouco de forma lacônica no Acre, seu estado natal, e atribuiu a baixa performance que obteve nas urnas à prevalência do voto útil nestas eleições, mas destacou que isso “faz parte da democracia”. Marina disse que gostaria de cumprimentar tanto os eleitores como todos os candidatos que participaram do pleito.

Sobre questionamentos como o fato de ter ficado abaixo do Cabo Daciolo, do Patriotas,  em número de votos já que Daciolo que durante todo o tempo figurou bem abaixo dela nas pesquisas eleitorais, a ex-senadora respondeu que esse tipo de surpresa “faz parte de toda democracia”.

Marina, entretanto, disse que estas eleições deixaram cada vez mais clara a necessidade de ser apresentado um novo caminho na vida política do país, que possa ser construído “sem que fiquemos presos à velha lógica da opção”. Destacou, ainda, que sua candidatura fez o bom combate e mostrou sua coerência.

Num primeiro momento, Marina Silva disse que seu partido continuará atuando na oposição, independentemente do governo a ser eleito. Mas ela foi citada pelo candidato do PT, Fernando Haddad, como uma das candidatas que telefonaram para ele, num possível aceno para o segundo turno das eleições.