Manifestação

Ato pela democracia e em repúdio à violência é adiado

Guilherme Boulos (PSOL), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB) e o vice de João Amoedo (Novo) tinham confirmado presença

Paulo Pinto-Agência PT/Wenderson Araujo/Tony Oliveira
presidenciaveis violencia

Guilherme Boulos (Psol), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB) confirmaram presença no ato

São Paulo – O Pacto pela Democraciainiciativa que congrega organizações e movimentos da sociedade civil com o objetivo de preservar e revigorar a vida política e democrática brasileira, anunciou o adiamento do ato programado para este domingo (9). A manifestação era “de repúdio a todas as formas de violência e reafirmação do compromisso com a democracia, o processo eleitoral, o pluralismo e a tolerância”.

De acordo com o Pacto, estavam confirmados para o evento, que acontece a partir das 16h na sede do Todos Pela Educação, Guilherme Boulos (PSOL), Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB)  e Christian Lohbauer, representando João Amoedo (Novo).

“Em virtude da proximidade da realização do debate da TV Gazeta – hoje, às 18h – e das confirmações de participação pendentes, os presidenciáveis avaliaram ser mais prudente postergarmos este encontro, dada sua relevância”, disse a nota do adiamento. “Todos eles se colocaram à disposição para o reagendamento deste evento.”

Segundo a organização do ato, “a proposta é que os candidatos manifestem-se sobre os episódios de violência, sendo vedado qualquer ato de campanha, e expressem compromisso com a construção democrática no país. O ato será realizado em ambiente fechado, com presença da mídia e organizações da sociedade civil”.

Nesse sábado (8), Guilherme Boulos, criticou o candidato Jair Bolsonaro (PSL) por fazer o gesto de uma arma em seu quarto, no Hospital Albert Einstein, em foto divulgada por um de seus filhos em rede social.

“É lamentável que logo após ter sido vítima da violência, Bolsonaro siga estimulando mais violência. A saída para o Brasil não é com tiros e intolerância. É com democracia e solidariedade”, disse Boulos em seu perfil no Twitter.