Home Política Presidente do STF afirma que resultados das eleições serão respeitados
Jogo democrático

Presidente do STF afirma que resultados das eleições serão respeitados

Dias Toffoli disse que, ao final das eleições, com o eleito do povo confirmado, prevalecerá o respeito às regras democráticas, tanto pelo novo governo como por seus opositores
Publicado por
11:21
Compartilhar:   
José Cruz EBC/Reprodução
Dias Toffoli STF

À Folha de S. Paulo, o ministro destaca que a ocorrência destas eleições e resultado do papel “moderador” do judiciário

São Paulo – Depois de contestar os questionamentos do presidenciável Jair Bolsonaro quanto à validade das urnas eleitorais, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, voltou a afirmar, em entrevista publicada pelo jornal Folha de S.Paulo nesta segunda-feira (24), que qualquer que seja o resultado destas eleições, ele será respeitado. “O batismo da urna legitima os poderes. Aquele que for eleito em uma democracia tem que ser respeitado por todas as forças políticas e por todos os opositores”.

As declarações do ministro, que desde domingo (23) ocupa temporariamente a Presidência da República – enquanto Michel Temer participa da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) –, minimizam os acenos feitos pela chapa de Bolsonaro e seu vice, o General Hamilton Mourão, quanto ao desrespeito às normas do jogo democrático com uma possível intervenção das Forças Armadas.

Para Toffoli, o poder militar tem ciência da responsabilidade de suas funções, respeitam o regime vigente e, ao final das eleições, o que prevalecerá, independente do resultado, será a base de governo e seus opositores.

Sem responder diretamente, mas mostrando-se contrário às críticas de judicialização da política, o ministro creditou à Justiça o papel de moderador na condução de questões como o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff e das denúncias envolvendo, por exemplo, Michel Temer. “Tanto foi assim que passamos por todos esses problemas e chegamos a uma eleição”, declara negando uma “judicialização da política”.

Ainda assim, alterações no modelo judiciário são pautas presentes nas propostas dos candidatos Fernando Haddad (PT) e Bolsonaro, o que na avaliação do ministro só evidencia um movimento mais transparente da instituição. Toffoli que tem agora diversas questões polêmicas, entre elas a validade da prisão após condenação em segunda instância, que pode beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, segundo defensores públicos, reduzir as taxas de encarceramento, afirma que será mantido um “olhar institucional” e “premissas jurídicas”, durante seu mandato à frente do STF.