Eleições 2018

Debate Gazeta/Estadão: Alckmin é confrontado por Ciro e Meirelles

Emedebista diz que governo tucano 'exportou' crime organizado. Sobre Museu Nacional, pedetista afirmou que Museu do Ipiranga é 'próxima vítima potencial de uma tragédia dessa natureza'

Reprodução
ciro-geraldo

Ciro questionou sobre Museu do Ipiranga, Alckmin não respondeu. Ex-governador de SP defendeu OSs

São Paulo – Na segunda metade do debate TV Gazeta/Estadão, Meirelles questionou Alckmin sobre a questão da segurança pública, destacou que se combate um problema “pela raiz”, e atacou Alckmin: “São Paulo está exportando o crime organizado para o resto do país.” O ex-governador de São Paulo rebateu, alegando que as taxas de homicídio no estado, durante os seus governos, caíram. O tucano reafirmou a segurança pública como “prioridade”, e prometeu “endurecer” as leis contra o crime organizado. 

Boulos perguntou a Alvaro Dias, que faz a defesa enfática da Lava Jato, se o candidato do Podemos será capaz de combater os privilégios do Ministério Público e do Poder Judiciário, que recentemente aprovaram reajuste de mais de 16,38% nos salários, e gozam de uma série de benefícios, como o auxílio-moradia. “Antes de combater o dos outros, devemos eliminar os nossos próprios privilégios”, afirmou Dias, que prometeu começar o corte dos gastos indevidos pelo “andar de cima” dos Três Poderes da República, e defendeu a redução do número de parlamentares.

Marina e Ciro mais uma vez defenderam propostas parecidas, agora para o setor de saúde. Enquanto Marina defendeu dividir o país em 400 regionais que serão responsáveis por atender em torno de 500 mil pessoas cada uma, Ciro propôs organizar “conjunto de municípios” para oferecer atendimento em doze especialidades, aos moldes do que ocorre com as policlínicas no Ceará. “Se o Ceará tem já tem esse atendimento, o Brasil poderá ter muito mais”. Marina defendeu a prevenção e a atenção à saúde básica. “Eu, que vivi as mazelas de não ser atendida corretamente pela saúde pública, tenho esse compromisso.”

Marina e Boulos também concordaram em propostas para a demarcação de terras indígenas e quilombolas. Para efetivar as demarcações, Boulos prometeu enfrentar o agronegócio e impedir a realização de grandes obras de infraestrutura sem o consentimento dos povos do local. Marina disse que vai fazer o “ordenamento territorial e fundiário” e que, num país das dimensões do Brasil, “tem lugar para todo mundo”.

Perguntado por Dias sobre os riscos para a democracia e o crescimento da violência política, Ciro afirmou que o país vive uma suposta aparência de “normalidade democrática”. Ele destacou que o atual presidente Michel Temer, foi formalmente acusado duas vezes por corrupção, e que parcelas do Congresso também estão envolvidas em escândalos, colaborando para a desmoralização dos poderes. A partir dessa desmoralização, poderes técnicos (Judiciário e Ministério Público) tentam ocupar os espaços da política.

Perguntas pelo Twitter

Ao responder a uma pergunta de internauta sobre a tragédia do Museu Nacional, Ciro Gomes falou que é essencial a revogação da Emenda 95, a Lei do Teto de Gastos, e lembrou a Geraldo Alckmin o caso do Museu do Ipiranga, fechado às pressas em 2013. Segundo o pedetista, é a “próxima vítima potencial de uma tragédia dessa natureza.”

Na sua resposta, o candidato tucano não comentou sobre o Museu do Ipiranga e disse que a atual situação das contas públicas é fruto da gestão “do PT e de seus aliados” e defendeu o modelo de organizações sociais na gestão da cultura.

Questionada sobre a gestão dos Correios, Marina Silva defendeu “blindar as instituições públicas do toma-lá-dá-cá”. “Tenho os melhores comigo para poder gerenciar e assim que vou governar”, disse. Guilherme Boulos respondeu dizendo que a solução não é privatizar, já que as privatizações só resultaram em taxas maiores dos serviços para os cidadãos. “Temos que dar transparência e controle social para a gestão.”

Boulos defendeu ainda a criação de uma “lista suja do machismo”, modelo no qual a empresa que paga menos para mulheres do que para homens não tenha acesso ao crédito e tenha seu nome exposto publicamente.