Home Política Em visita ao Brasil, ex-presidenta do Chile defende SUS, democracia e Lula livre
Apoio internacional

Em visita ao Brasil, ex-presidenta do Chile defende SUS, democracia e Lula livre

Michelle Bachelet participou da abertura de congresso saúde coletiva, no Rio de Janeiro. Ela voltou a defender o restabelecimento da democracia como forma de promover políticas públicas no país
Publicado por Redação RBA
11:23
Compartilhar:   
TVT/Reprodução
Michelle Bachelet

Em seu discurso, a ex-presidenta ressaltou os impactos do avanço do neoliberalismo sobre a saúde pública

São Paulo – Em seu discurso na abertura do 12° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, ontem (26), a ex-presidenta do Chile, Michelle Bachelet, comentou o avanço do neoliberalismo em países latino-americanos e como o acesso à saúde é afetado pela desigualdade social, de gênero e raça. Ela também falou sobre a prisão política do ex-presidente Lula. O evento,  que debate o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) vai até domingo (29) e pretende elaborar propostas que viabilizem melhorias no atendimento à saúde pública no Brasil.

“A ofensiva de alguns setores conservadores contra o sistema único de saúde não deve ser menosprezada. Muitas vezes pela desculpa de melhoras na gestão, esconde-se consequência de muito peso”, afirmou, para uma plateia de cerca de 10 mil pessoas, acrescentando a necessidade do avanço da resistência para o fortalecimento da saúde púbica, Ao final, a ex-presidenta integrou-se a um protesto que pediu a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Autoridades, representantes das áreas de pesquisa e ensino e profissionais de saúde de diversas formações, do Brasil e do exterior, que também estavam presentes no evento lembraram os 30 anos de promulgação da Constituição Federal, que instituiu o SUS como direito de todo brasileiro.

Entre eles, a diretora da Organização Mulheres de Atitude Manguinhos, Patrícia Evangelista, levantou a perspectiva das populações periféricas. “Não dá para excluir a favela desse debate, aquela que realmente é usuária do SUS e pra quem ele nasceu”, declarou.

Assista à reportagem de Viviane Nascimento, da TVT: