Home Política Suplicy pede voto responsável para que eleitor possa mudar o Brasil
Eleições 2018

Suplicy pede voto responsável para que eleitor possa mudar o Brasil

Atualmente vereador na Câmara Municipal de São Paulo, o pré-candidato ao Senado pelo PT afirma que 'há uma enorme esperança da população brasileira de que Lula seja considerado inocente e tenha possibilidade de ser eleito'
Publicado por Eduardo Maretti, da RBA
09:11
Compartilhar:   
FLAVIO CORVELLO/Futura Press/Folhapress
Suplicy

Para Suplicy, foi “muito positiva” a absolvição da senadora e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, pelo STF

São Paulo – O ex-senador, vereador paulistano e pré-candidato ao Senado Eduardo Suplicy (PT) assistiu ao jogo da seleção brasileira, na manhã desta sexta-feira (22), em Paraisópolis (zona sul de São Paulo), na companhia de integrantes da comunidade e da fundadora da União dos Moradores do bairro, Maria Betânia Ferreira Mendonça. “Vi o jogo do Brasil numa sorveteria, torcemos muito, e só tivemos alívio nos minutos finais, em que o Brasil marcou dois gols e foi uma festa formidável”, comenta. O time do técnico Titebateu a Costa Rica por 2 a 0.

Neste sábado (23), Suplicy comemora seu aniversário (que foi dia 21) e lança oficialmente a sua pré-candidatura na praça Dom José Gaspar, em frente ao restaurante Cachaçaria do Rancho, centro de São Paulo, a partir das 13 horas.

Segundo a última pesquisa Ibope, do final de maio, Suplicy lidera a disputa por uma das duas vagas ao Senado por São Paulo com 30%. Ele é seguido por José Luiz Datena (DEM), que tem 26%, Marta Suplicy (MDB), com 18%, e Mario Covas Neto (Podemos), com 12%.

O petista diz que tem expectativa de que o Congresso Nacional, talvez hoje o mais conservador desde a redemocratização do país, possa contar com bancadas mais progressistas. Mas, para isso, aconselha os eleitores. “É muito importante que as pessoas procurem votar em quem realmente conheçam muito bem e possam confiar, por sua vida, coerência de proposições, ideias, compromisso com a ética, transparência, e com construir um Brasil solidário e fraterno.”

Ele destaca que isso vale para candidatos a deputado estadual, federal, senador, governador e presidente da República. “Se quisermos contribuir para mudar a situação do Brasil, é preciso que cada eleitor assuma a responsabilidade de conhecer em quem vai votar para cada um desses cargos”, acrescenta. “É a maneira que temos de agir para modificar esse estado de coisas no país.”

No contexto pré-eleitoral, o vereador paulistano afirmou ser “fundamental” que as eleições presidenciais contem com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Há uma enorme esperança da população brasileira de que o (ex) presidente Lula seja considerado inocente e tenha possibilidade de ser eleito, de tal forma que o povo possa efetivamente escolher o seu presidente”, diz Suplicy.

Segundo ele, foi “muito positiva” a absolvição da senadora e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, pelo Supremo Tribunal Federal, na terça-feira (19). “No tempo em que convivi com ela, nunca ouvi que ela falasse de qualquer ação que pudesse significar algo incorreto. Ela sempre defendeu procedimentos éticos.”

Mais conhecido nas comunidades como senador do que como vereador, Suplicy diz que tem um relacionamento respeitoso com Datena, seu principal concorrente ao Senado. “Quando saiu uma pesquisa em que ele estava liderando, liguei ao Datena e disse que, quando quiser debater e conversar, me coloco à disposição, inclusive se quiser me entrevistar no seu programa.”

Ele lembra que, na eleição de 2014, diferentemente de pleitos anteriores, os então candidatos José Serra (PSDB) e Gilberto Kassab (PSD) “preferiram não debater comigo”. “Me disponho a debater com todos os adversários em qualquer lugar onde formos convidados. Acho que ele (Datena) ainda não decidiu definitivamente (se vai ou não concorrer)”, diz Suplicy. 

Em 2014, só uma vaga do Senado por estado estava em disputa. Por São Paulo, o eleito foi Serra, com 58,5% dos votos válidos (11,1milhões votos). Suplicy ficou em segundo, com 32,5% (6,1milhões de votos).