Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 05 / Em Curitiba, vigília Lula Livre recebe debate sobre redução da desigualdade

Plano de governo

Em Curitiba, vigília Lula Livre recebe debate sobre redução da desigualdade

Para economista, projeto progressista de nação deve pensar investimentos em infraestrutura, educação e saúde. "Precisamos pensar o desenvolvimento a partir das demandas sociais", afirma
por Redação RBA publicado 10/05/2018 18h49
Para economista, projeto progressista de nação deve pensar investimentos em infraestrutura, educação e saúde. "Precisamos pensar o desenvolvimento a partir das demandas sociais", afirma
Reprodução
Plano Lula de Governo

No debate, Pedro Rossi afirmou que plano de apartheid social imposto por Temer não se sustenta

São Paulo – A vigília Lula Livre, em Curitiba, recebeu nesta quinta-feira (10) o segundo encontro do Plano Lula de Governo. O tema "Redução das desigualdades na construção da nação brasileira" foi debatido entre o economista Pedro Rossi (Universidade Estadual de Campinas, Unicamp), Jessy Dayane (Levante Popular da Juventude), Roberto Bagio (dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, MST) e Márcia Lopes (ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome).

Pedro Rossi defendeu que o investimento em infraestrutura social, moradia, mobilidade urbana, saúde e educação deve ser prioritário num novo projeto de país. “O Brasil tem carência de moradia e educação, por exemplo. Por que não usar essas carências para gerar crescimento durante décadas? Precisamos pensar o desenvolvimento a partir das demandas sociais.”

Para Rossi, o atraso do país também na área de infraestrutura pode ser usado favoravelmente no sentido de promover o desenvolvimento e a distribuição de renda. “Se precisamos de décadas para resolver problemas de infraestrutura e moradia, podemos mobilizar a economia por décadas. Diversificar a estrutura produtiva para gerar emprego e renda.”

O investimento nessas áreas pode vir tanto de capital estatal como privado e, nesse sentido, o potencial multiplicador e como fator de crescimento é enorme. “Significa (investimento em) máquinas para hospitais, ou em tecnologia de ponta para educação”, exemplificou. “Isso gera desenvolvimento em tecnologia nacional e emprego. Crescimento econômico não é só de coisas supérfluas”, disse Rossi.

Por outro lado, um projeto progressista precisa revogar a Emenda Constitucional 95, que reduz investimentos em educação e saúde por 20 anos, defendeu o economista. “Isso é um programa de apartheid social no Brasil.”

Por outro lado, Rossi declarou que tal situação o deixa otimista. “Porque eles não vão conseguir. Mesmo a ditadura entregou crescimento econômico. Esse (o de Michel Temer) é um programa que não vai entregar crescimento e não vai ter sustentação. É preciso ter em mente que a luta não se restringe a essa eleição.”

A ex-ministra Márcia Lopes defendeu que as lideranças voltem à base. “(É preciso) investir na formação política. Ter coragem de falar da radicalidade democrática. Se a gente não avançar no perfil da próxima Câmara Federal e Senado, vamos recuar mais ainda”, afirmou.

Para Bagio, do MST, entre as medidas que devem necessariamente constar de um projeto de país está a democratização da propriedade da terra, “um problema estrutural brasileiro, que não foi resolvido".

Os recursos naturais (água, petróleo e minérios) do Brasil também são fundamentais numa visão de futuro, afirmou. “Queremos que o conjunto dos recursos naturais seja colocado a serviço do país, e não ser apropriado pelas grandes e empresas internacionais.” Ao encerrar o discurso, Bagio prometeu: “Só saímos daqui com o Lula no meio do povo brasileiro”.

Jessy Dayane, do Levante, disse que “não tem como falar em combater desigualdade social sem falar do extermínio da juventude pobre e negra”. Para ela, esse combate exige o aprofundamento da democracia no Brasil e reformas política e tributária e investimento em áreas sociais, principalmente educação.

“A educação é um elemento estratégico para combater a desigualdade social. Sem democracia e soberania não há combate à desigualdade social", acrescentou Jessy. "Quando o golpe ameaça a Petrobras, ameaça os royalties do petróleo, a educação e a saúde."