Home Política Movimentos sociais lançam campanha para revogar emenda do teto de gastos
'Direitos Valem Mais'

Movimentos sociais lançam campanha para revogar emenda do teto de gastos

Aprovada em dezembro de 2016, a Emenda Constitucional 95 já produz efeitos negativos em relação aos direitos sociais
Publicado por Redação RBA
13:30
Compartilhar:   
MÍDIA NINJA
pec teto de gastos.jpg

Antes chamado de ‘PEC do Fim do Mundo’, congelamento dos gastos aumentou a desigualdade no país

São Paulo – Cerca de 60 organizações, movimentos sociais, conselhos e redes estão participando da campanha Direitos Valem Mais, Não aos Cortes Sociais, que busca revogar a Emenda Constitucional (EC) 95, do governo Temer, que congela por 20 anos os gastos públicos. De acordo com especialistas, a medida aumentou a pobreza no Brasil.

Aprovada em dezembro de 2016, a emenda já produz efeitos negativos em relação aos direitos sociais, como aponta um relatório do Instituto de Estudos Socioeconômicos em parceria com a Oxfam Brasil. “Ao estabelecer um teto comum para as despesas governamentais, algumas você não pode cortar pois não tem controle sobre elas, como as despesas previdenciárias e com serviço da dívida. Então, a limitação dos investimentos só ocorre nas políticas sociais básicas”, afirma Heloísa Oliveira, administradora da Fundação Abrinq.

Com o congelamento ficou ainda maior a desigualdade. Os seis homens mais ricos do Brasil têm a mesma riqueza que 8 milhões das pessoas mais pobres. Metade dos brasileiros corre o risco de entrar na pobreza. “A quantidade de desempregados aumentou ainda mais. Você anda nas ruas e vê um aumento da população em situação de rua e o aumento da violência do Estado, são várias situações”, diz Juliane Cintra, coordenadora da Ação Educativa.

Para Heloísa, o teto de gastos afeta diretamente crianças e adolescentes. “Além de serem mais de 30% da população, crianças e adolescentes são o público-alvo das principais políticas sociais de educação, saúde de proteção. É um investimento no futuro. Ao reduzir os investimentos na área de educação, estamos prejudicando o futuro do país”, critica, em entrevista ao repórter Leandro Chaves, da TVT.

As especialistas destacam que a Emenda Constitucional não contou com a participação da sociedade e tramitou apressadamente no Congresso. A campanha visa a estimular o debate público sobre os impactos negativos da política econômica de austeridade no cotidiano dos brasileiros. A ideia é articular um conjunto de ações ao longo deste mês.

A campanha também tem o objetivo em coletar assinaturas para a petição online elaborada pelo Conselho Nacional de Saúde, que pede ao STF que seja a favor da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.658, revogando a Emenda Constitucional 95. No último dia 5 de abril, o Conselho Nacional de Saúde protocolou as primeiras 70 mil assinaturas no STF. 

Assista à reportagem: