Julgamento

Habeas Corpus a Lula representa avanço civilizatório, diz ex-reitor da UnB

Jurista José Geraldo de Souza Junior, que também foi reitor da Universidade de Brasília, debateu com estudantes e políticos o caso que o STF julga nesta quarta-feira (4) envolvendo o ex-presidente

reprodução/TVT
Debate Lula Unb

Estudante destacou a importância do julgamento. “Não está sendo decidido só o futuro de Lula, mas o futuro da nossa Nação”

São Paulo – Para o jurista e ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB) José Geraldo de Souza Junior, o habeas corpus preventivo protocolado pela defesa do ex-presidente Lula, cujo mérito o Supremo Tribunal Federal (STFjulga nesta quarta-feira (4), deve ser concedido em nome do avanço civilizatório. Ele participou, junto com estudantes, políticos e representantes das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, de debate sobre o tema no campus da universidade nesta terça-feira (3).

“Não se sufoca o inocente contra à Justiça. Defender a Constituição é também esperar que esse habeas corpus faça jus, teórica e politicamente, à construção da civilização”, afirmou Souza Jr ao repórter Uélson Kalinoviski, para o Seu Jornal, da TVT

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) criticou o pronunciamento da presidenta do Supremo, ministra Cármen Lúcia, que na noite desta segunda-feira (2) pediu serenidade nas disputas políticas. Segundo ela, a presidenta da Suprema Corte já demonstrou que é suscetível a pressões “dos poderosos e dos meios de comunicação dominados pela elite”.

“A ministra, se quer combater o ódio, tem que defender os princípios fundantes da Constituição, que falam de dignidade humana e da presunção de inocência”, disse a deputada. 

Para a estudante Raíssa Cavalcanti, integrante do grêmio da UnB, o  julgamento é decisivo para o futuro do país. “Amanhã não está sendo decidido só o futuro de Lula, está sendo decidido o futuro da nossa Nação, o futuro dos nossos direitos e o nosso futuro.”

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT