Home Política Contratos emergenciais na gestão Doria são denunciados no Ministério Público
Sob suspeita

Contratos emergenciais na gestão Doria são denunciados no Ministério Público

Representação pede que sejam investigados acertos sem licitação entre a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social e a organização Ascom
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
16:43
Compartilhar:   
Reprodução Facebook/SMADS
Filipe_Sabará

Portaria publicada no DO estabeleceu o secretário Filipe Sabará como “supervisor hierárquico” de Rosane da Silva Bertahud

São Paulo – Membro do Conselho Municipal de Assistência Social de São Paulo (Comas), Ricardo de Lima protocolou, segunda-feira (5), denúncia no Ministério Público Estadual (MPE) solicitando abertura de inquérito civil público para investigar a atuação de Rosane da Silva Bertahud, coordenadora de Gestão do Sistema Único de Assistência Social (Suas) no governo de João Doria (PSDB) na capital paulista.

A denúncia pede para que a servidora, funcionária da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads), seja investigada junto com a Organização Social (OS) Associação Comunitária São Mateus (Ascom).

De acordo com denúncia a que a RBA teve acesso, o marido da coordenadora, Samuel Bertahud, é funcionário da Ascom, entidade que tem assinado diversos termos de parceria sem licitação com a prefeitura de São Paulo. Segundo a representação entregue ao MPE, um dos convênios causou especial “estranhamento”. Trata-se da parceria para o Serviço de Apoio à Solicitação de Atendimento a Pessoas em Situação de Rua e Apoio à Emergência (SEAS lll), o qual passou pela audiência de chamamento público conforme o Edital nº 158/SMADS/2017.

Por ato administrativo do secretário de Assistência e Desenvolvimento Social, Filipe Sabará, o edital foi suspenso no dia 24 de janeiro, após ter sido vencido pela organização Apoio Associação de Auxílio Mútuo da Região Leste. Na decisão, o secretário instaurou uma Comissão Preliminar de Averiguação para rever o parecer da comissão que havia dado a vitória para a Apoio. Como consequência do cancelamento do edital, a Prefeitura de São Paulo firmou então um contrato emergencial com a Ascom, publicado no Diário Oficial (DO) do município no último dia 3, com validade desde 28 de fevereiro. O contrato de R$ 423 mil mensais tem duração máxima de 180 dias ou até que se conclua o processo de chamamento público que a substituirá.

Conforme a denúncia, Rosane da Silva Bertahud é também, de acordo com a Portaria nº 08/SMADS/2018, a supervisora técnica de todos os Serviços de Abordagem a População em Situação de Rua (Seas), tendo como único “supervisor hierárquico”, o secretário Filipe Sabará.

Histórico

O primeiro contrato emergencial, sem licitação, entre a prefeitura de São Paulo e a Ascom foi publicado no DO no dia 1º de setembro do ano passado. Também válido por 180 dias e com repasse mensal de R$ 423 mil, o contrato tem como objeto a prestação do Serviço Especializado de Abordagem Social às Pessoas em Situação de Rua, na modalidade Serviço de Apoio à Solicitação de Atendimento à Pessoa em Situação de Rua e Apoio à Emergência (Seas III). Na ocasião, a justificativa para a ausência de licitação foi a “desistência da antiga executora do serviço” e a “impossibilidade de descontinuidade do serviço no território”.

O segundo contrato emergencial entre o governo municipal e a Ascom saiu no Diário Oficial do dia 8 de janeiro deste ano. Vigente entre os dias 22 de dezembro de 2017 e 27 de fevereiro de 2018, o contrato tem o mesmo valor mensal de repasse, de R$ 423 mil. A justificativa para a dispensa de licitação foi a “não prorrogação da parceria anterior” e a “impossibilidade de interrupção do serviço”.

“Por conta desses estranhamentos, pode ter indício de corrupção, tráfico de influência, mas só quem pode agir são os órgãos competentes para fazer a investigação. Se há problema, não sei, mas que os órgãos competentes investiguem e nos deem uma resposta”, pondera o conselheiro Ricardo de Lima, autor da denúncia.

Além da série de contratos emergenciais sem licitação, a denúncia protocolada no MPE ainda inclui a suspeita de que a contratação de Samuel Bertahud, marido de Rosane da Silva Bertahud, foi efetivada por meio do programa Trabalho Novo, lançado pelo governo Doria para a empregabilidade de pessoas em situação de rua.

“Que seja investigado se as pessoas contabilizadas no Programa Trabalho Novo são realmente pessoas em situação de rua”, diz a denúncia.

Outro lado

Em nota, a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads) informa que os contratos emergenciais são precedidos de “imprescindíveis justificativas técnicas que demonstram a excepcionalidade da não realização de chamamento público e a premente necessidade do serviço”, incluindo ainda “cláusula resolutiva atrelando o fim de vigência dessa parceria à finalização do processo de chamamento público para o serviço”.

A secretaria explica que o convite para a parceria emergencial é elaborado por coordenação “hierarquicamente superior às pessoas que futuramente fiscalizarão o serviço, no presente caso, no que concerne ao Serviço Especializado de Abordagem Social à Pessoas em Situação de Rua – modalidade 3: a Coordenação de Pronto Atendimento Social”.

Sobre a contratação dos trabalhadores das organizações, a Smads afirma que é de “exclusiva responsabilidade da parceira”, sem interferência da secretaria. Com relação ao programa Trabalho Novo, a Smads reitera que a oferta de tais vagas “é recomendável e desejada”, mas não podem ser exigidas ou impostas pela secretaria às suas parceiras. “Alegações de conflitos de interesse ou favorecimento de vaga demonstram-se completamente improcedente e sem fundamentos”, diz a nota, destacando que o programa Trabalho Novo tem critérios estabelecidos que não são atendidos por Samuel Bertahud. 

Diário Oficial da Cidade de São Paulo by redebrasilatual on Scribd