Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 03 / Lula é o político com maior aprovação do país, diz pesquisa Estadão-Ipsos

Eleições 2018

Lula é o político com maior aprovação do país, diz pesquisa Estadão-Ipsos

Resultados demonstram que condenação em segunda instância do ex-presidente teve impacto "diminuto" em sua popularidade. Temer e candidatos do bloco governista registram os piores índices
por Redação RBA publicado 05/03/2018 10h00, última modificação 05/03/2018 12h05
Resultados demonstram que condenação em segunda instância do ex-presidente teve impacto "diminuto" em sua popularidade. Temer e candidatos do bloco governista registram os piores índices
Ricardo Stuckert/IL
Lula Líder

Ex-presidente Lula recebeu comissão de mulheres em São Paulo na última sexta-feira (2)

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue como o político mais popular do país, com 42% de aprovação em fevereiro, segundo a pesquisa Barômetro Político Estadão-Ipsos divulgada neste sábado (4). Lula oscilou dentro da margem de erro, em relação ao mês anterior (44%), o que demonstra que a condenação pelo Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF4), em janeiro, teve impacto "diminuto", segundo o próprio jornal. Sua desaprovação também oscilou dentro da margem de erro – que é de três pontos percentuais –, de 54% para 56%.

Lula é seguido por Marina Silva (Rede), que aparece com 29% de aprovação e 62% de desaprovação, pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), com 24% que o aprovam e 58% que desaprovam, e pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que tem 20% de avaliação positiva contra 68% que o avaliam negativamente. Logo atrás, aparece Ciro Gomes (PDT), respectivamente com 18% e 65%.  

O bloco governista registra os piores resultados. O presidente Michel Temer tem apenas 4% de aprovação e 93% de desaprovação. seguido pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), cogitado como o nome do governo para a disputa (com 5% e 67%), e o o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que também cogita candidatura (4% de aprovação, contra 69%).