ação popular

Randolfe Rodrigues pede saída de Segovia do comando da PF

Diretor-geral da Polícia Federal afirmou que investigações de pagamentos de propina a Michel Temer devem ser arquivadas

Jefferson Rudy/Agência Senado
randolfe rodrigues

Randolfe diz permanência de Segovia no cargo configuram ‘ofensa à moralidade administrativa’ e ‘desvio de finalidade’

São Paulo – O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) protocolou na noite desta quarta-feira (14), na Justiça Federal, ação popular que pede o afastamento do atual diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia. O parlamentar afirma que a nomeação feita por Temer e a permanência de Segovia no cargo configuram “ofensa à moralidade administrativa” e “desvio de finalidade”. 

Na última sexta-feira (9), em entrevista à Agência Reuters, Segovia afirmou que as investigações sobre a acusação de propina do presidente Michel Temer devem ser arquivadas, antecipando-se à conclusão de uma apuração que ainda está em curso. Posteriormente, a agência corrigiu-se, falando em “indicação” em vez de “afirmação”.

A investigação contra Temer é referente ao Decreto dos Portos, um instrumento presidencial que favoreceu empresas do setor. O presidente e outros investigados, como o suplente de deputado pelo MDB do Paraná e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, são acusado de favorecer a empresa Rodrimar no Porto de Santos, área de influência do PMDB, em troca do pagamento de propina. O inquérito está sob responsabilidade do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Ele não poderia falar sobre um inquérito que não está sob a sua governabilidade. Acredito que não há condições para que Segovia continue a frente de um órgão da importância que possui a Polícia Federal”, disse Randolfe, em seu Facebook.

Apadrinhado por caciques do MDB, particularmente pelo ex-presidente José Sarney, o diretor-geral é visto como alguém a serviço do grupo de Temer para barrar investigações que o envolvam. Segovia tem negado a acusação e dito que seu trabalho demonstrará o que fala.

* Com informações do Congresso em Foco