Home Política Damous: Moro fala em pacto de corrupção, mas não diz quando, nem como
#CadêAProva

Damous: Moro fala em pacto de corrupção, mas não diz quando, nem como

Para ex-presidente da OAB-RJ e deputado federal, deduzir que tal pacto teria ocorrido entre 2006 a 2012 'é assumir que não sabe quando isso aconteceu ou se aconteceu'
Publicado por Redação RBA
13:41
Compartilhar:   
Twitter
wadih damous.jpg

Damous: ‘Moro assume que não sabe quando aconteceu ou se aconteceu o tal pacto de corrupção’

São Paulo – O ex-presidente da seção fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e deputado federal (PT-RJ) Wadih Damous, que acompanha o julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre, aponta falhas no processo do juiz Sérgio Moro. Por meio de seu perfil nas redes sociais, Damous diz que leu atentamente todas as peças do processo que condena o ex-presidente a nove anos e seis meses de prisão.

“Dos parágrafos 299 a 303, Moro afirma que houve um pacto de corrupção entre OAS e Lula entre 2006 e 2012, mas não explica quando, nem como. Ao deduzir que o tal pacto de corrupção teria ocorrido entre 26/10/2006 a 23/01/2012 é assumir que não sabe quando isso aconteceu ou se aconteceu.”

O parlamentar afirma ainda que nem Moro, nem os procuradores, perguntaram a Léo Pinheiro – nas quase 3 horas em que esteve à disposição do interrogatório – sobre a execução do tal pacto de corrupção, o que seria essencial para chegar a conclusão de ilicitude.

E destaca perguntas que poderiam ter sido feitas pelo Ministério Público caso quisessem provar, de fato, que havia um pacto de corrupção entre a OAS e o ex-presidente. Perguntas essas, segundo ele, que não foram feitas.

Confira:

Qual foi a vantagem indevida oferecida ao ex-presidente?

A troco de quê foram oferecidas vantagens indevidas a Lula?

As tratativas anteriores a 2014 com Vaccari sobre o tríplex envolviam pacto de corrupção? 

Se Léo Pinheiro tratou diretamente com Lula na forma de disponibilidade de fato do tríplex, por que não o fez, já que tinha acesso direto ao ex-presidente?

Vaccari assegurou, ou ao menos evidenciou, que falava em nome de Lula em todas as ocasiões?

Léo Pinheiro procurou certificar-se, com Lula, que o PT, por meio de Vaccari, estava autorizado a pagar com dinheiro de propina a diferença entre o apartamento 141 e o tríplex?

Se Léo Pinheiro prometeu vantagens indevidas a Lula por meio de intermediários, quem foi ou foram os intermediários? 

Desde quando Léo Pinheiro tem acesso direto ao ex-presidente?

Léo Pinheiro chegou a tratar pessoalmente com o ex-presidente sobre o pagamento de vantagens indevidas?