Defesa do patrimônio público

TCE suspende privatizações de Alckmin nas linhas 5-Lilás e 17-Ouro do Metrô de SP

Tribunal acatou representação do deputado Alencar Santana (PT), que alerta para prejuízo aos cofres públicos com projeto que quer entregar patrimônio de R$ 22 bilhões, com previsão de lucro de R$ 10 bilhões, por apenas R$ 300 milhões

divulgação
webdoor-linha5.jpg

Linha 5-Lilás é parte do pacote que Alckmin quer entregar por R$ 300 milhões: previsão de faturamento alto

São Paulo – A assessoria de imprensa da bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) informou que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspendeu hoje (25) o processo de licitação das linhas 5-Lilás (Adolfo Pinheiro – Capão Redondo) e 17-Ouro (Morumbi – Congonhas) do Metrô de São Paulo. O TCE acatou representação do líder da bancada, deputado Alencar Santana Braga.

Na representação, o deputado aponta prejuízo aos cofres públicos e irregularidades no edital. Serão gastos em torno da R$ 22 bilhões, com previsão de lucro mínimo de R$ 10 bilhões, e Alckmin quer conceder as linhas por R$ 300 milhões. Outro ponto destacado na representação é que o estado será obrigado a pagar a concessionária enquanto as estações Santa Cruz e Chácara Klabin não estiverem operando comercialmente, sendo que a regra é o estado atrasar suas obras.

“A privatização que Alckmin quer fazer é um verdadeiro presente às empresas privadas, que não investiram um tostão e vão levar as linhas que renderão mais de R$ 10 bilhões no período de concessão”, afirma a nota da bancada.

CPTM

Nesta terça-feira (26), os deputados progressistas da Assembleia Legislativa lançam frente parlamentar em defesa da Linha 7 – Rubi da CPTM. O lançamento será às 18h, no auditório Paulo Kobayashi. Também de autoria do deputado Alencar Santana, a iniciativa resultou de encontro com prefeitos das cinco cidades da região da Mantiqueira e que compõem o Consórcio Intermunicipal dos Municípios da Bacia do Juqueri (Cimbaju), na região Metropolitana de São Paulo, no qual foram discutidas questões da mobilidade e da ligação entre trilhos entre Jundiaí e a Luz, no centro da capital, que atravessa a região.

Superlotação, panes frequentes, atrasos dos trens, estações sucateadas, falta de segurança e de acessibilidade são principais problemas enfrentados cotidianamente pelos usuários da linha, que tem 60,5 km de extensão, a mais longa da CPTM, e 18 estações. A Linha passa pelos municípios de Caieiras, Franco da Rocha, Francisco Morato, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista, até alcançar Jundiaí, na Aglomeração Urbana de Jundiaí.

O lançamento da frente parlamentar ocorre no mesmo dia que o governador Alckmin entrega um trem novo nessa linha.