Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 09 / Janot denuncia Lobão, Jucá, Raupp, Barbalho e Sarney

Organização criminosa

Janot denuncia Lobão, Jucá, Raupp, Barbalho e Sarney

os parlamentares são acusados de terem recebido R$ 864 milhões em propina, por meio de desvios na Petrobras.
por Redação RBA publicado 08/09/2017 18h46
os parlamentares são acusados de terem recebido R$ 864 milhões em propina, por meio de desvios na Petrobras.
Antônio Cruz/ABR
janot.jpg

Para Janot, denunciados fizeram das empresas públicas um sistema de arrecadação de propinas.

São Paulo – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou hoje (8) denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra os senadores Edison Lobão (MA), Romero Jucá (RR), Valdir Raupp (RO) e Jader Barbalho (PA), além do ex-senador José Sarney, todos do PMDB,  por organização criminosa.

Segundo a Procuradoria-Geral da República, os parlamentares são acusados de terem recebido R$ 864 milhões em propina, por meio de desvios na Petrobras. Os desvios, conforme a denúncia, trouxeram prejuízo de R$ 5,5 milhões para a estatal e de R$ 113 milhões para a Transpetro.

Em nota, a PGR informa que “as ações ilícitas voltaram-se inicialmente para a arrecadação de recursos da Petrobras por meio de contratos firmados no âmbito da Diretoria de Abastecimento e da Diretoria Internacional, assim como da Transpetro. O aprofundamento das apurações levou à constatação de que, no mínimo entre os anos de 2004 e 2012, as diretorias da sociedade de economia mista estavam divididas entre os partidos políticos responsáveis pela indicação e manutenção dos respectivos diretores”.

Janot não questiona o fato de um governo – no caso o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff – fazer alianças para conquistar ampla base política e ter êxito na aprovação de suas medidas no parlamento.

“Alianças, negociações e divisão de poder são da essência da política e é dessa forma que usualmente se obtém maioria para governar”. “No caso dos autos, o intuito das negociações em torno dos cargos, desde o início, foi obtenção de orçamentos, de forma a possibilitar, aos denunciados, desenvolver no âmbito dos órgãos públicos, empresas públicas e sociedades de economia mista um sistema de arrecadação de propina.”