Home Política Secretários de Alckmin que são deputados se omitem de votar denúncia contra Temer
Indignação seletiva

Secretários de Alckmin que são deputados se omitem de votar denúncia contra Temer

Arnaldo Jardim (PPS), Rodrigo Garcia (DEM), Roberto de Lucena (PV) e Samuel Moreira, Duarte Nogueira e Floriano Pesaro (PSDB) voltaram à Câmara para tirar Dilma. Hoje, não há auxiliar do governador indignado
Publicado por Redação RBA
12:56
Compartilhar:   
reprodução
secretários

Os secretários Moreira e Pesaro (acima), Jardim e Garcia (abaixo) e o governador Alckmin

São Paulo – Em março de 2016, a Câmara votou pela aceitação do pedido de impeachment contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, com 367 votos a favor e 137 contra. Em meio ao clima de “combate à corrupção”, fomentado pela imprensa e por grupos organizados, seis deputados federais que exerciam cargo de secretários do governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB), pediram exoneração para participar da votação. Todos a favor.

Hoje, porém, em dia de votação pela aceitação de denúncia de corrupção passiva apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer, a situação é totalmente diferente. Apesar da farta documentação evidenciando os crimes de Temer exigirem, no mínimo a investigação das denúncias, como pede a PGR, nenhum dos atuais cinco deputados que estão secretários retomou o mandato com a finalidade exclusiva de participar da votação.

Em 2016, os secretários da Agricultura, Arnaldo Jardim (PPS); da Habitação, Rodrigo Garcia (DEM); do Turismo, Roberto de Lucena (PV); da Casa Civil, Samuel Moreira; de Logística e Transportes, Duarte Nogueira; e do Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro (todos do PSDB), reassumiram seus mandatos na Câmara para votar favoravelmente ao pedido de impeachment de Dilma.

Em seu perfil no Facebook, Pesaro chamou o PT de “organização criminosa” e alegou que ia impedir que o partido dominasse o país. “Não podemos sucumbir a um projeto de poder criminoso e inescrupuloso que não mede esforços para se manter no poder e iludir o povo”, postou. Isso apesar de setores sérios do meio jurídico e técnicos do Senador Federal terem constatado total ausência de crime de responsabilidade por parte da presidenta eleita. Hoje, nenhum comentário sobre Temer.

Dos seis secretários, Jardim, Garcia, Moreira e Pesaro tiveram agenda normal nesta manhã. Nogueira foi eleito prefeito de Ribeirão Preto, em 2016. Lucena deixou a pasta do Turismo e atualmente está exercendo mandato de deputado na Câmara. Seu colega de partido José Luiz Penna, também deputado federal, assumiu a Secretária da Cultura e também não se licenciou para votar a denúncia contra Temer.

O suplente de Pesaro é o deputado federal Mendes Thame (PV); Lobbe Neto (PSDB) substitui Samuel Moreira; Marcelo Aguiar (DEM) permanece na vaga de Rodrigo Garcia, E Roberto Freire (PPS) mantém-se no cargo, no lugar de Arnaldo Jardim. O agora prefeito Duarte Nogueira é substituído por Silvio Torres (PSDB). Nenhum dos partidos fechou posição quanto à denúncia da PGR contra Temer.

Ministros deixam cargos

Temer não teve dúvidas quanto a exonerar ministros que têm mandato de deputado federal para garantir votos a favor dele na Câmara. Ele precisa de apenas 172 votos contra a denúncia para rejeitar a abertura de processo. A oposição, no entanto, precisa de 342 votos para que a denúncia vá ao Supremo Tribunal Federal (STF), tendo por consequência o afastamento do presidente por 180 dias. Estima-se que Temer tenha 250 votos favoráveis, após muitas negociações para beneficiar deputados com emendas parlamentares, anistia de dívidas, etc..

Foram exonerados: Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo, PSDB-BA), Mendonça Filho (Educação, DEM-BA), Bruno Araújo (Cidades, PSDB-PE), Fernando Bezerra Coelho Filho (Minas e Energia), Osmar Terra (Desenvolvimento Social, PMDB-RS); Leonardo Picciani (Esporte, PMDB-RJ), José Sarney Filho (Meio Ambiente, PMDB-AL), Ronaldo Nogueira (Trabalho, PTB-RS), Marx Beltrão (Turismo, PMDB-AL) e Mauricio Quintela (Transportes, PR-AL). Após a votação, eles reassumem os cargos. Ricardo Barros (Saúde, PMDB-PR) e Raul Jungmann (Defesa, PPS-PE) também são deputados, mas não foram exonerados.