futuro

PT decidirá até dezembro candidato a governo de SP. Haddad e Suplicy são cotados

Legenda fará um balanço dos 20 anos de PSDB no comando do estado para conquistar o eleitorado em 2018

DIVULGAÇÃO
haddad e suplicy.jpg

Suplicy foi secretário de Direitos Humanos na gestão de Fernando Haddad na prefeitura de São Paulo

São Paulo – O presidente estadual do PT em São Paulo, Luiz Marinho, afirmou que o partido decidirá até dezembro, juntamente com as siglas aliadas, o candidato ao governo de São Paulo em 2018. Segundo ele, entre os principais nomes estão o ex-prefeito da capital paulista Fernando Haddad, o vereador paulistano Eduardo Suplicy e o deputado federal Carlos Zarattini. 

Marinho disse que a campanha mostrará à população os “malefícios das gestões tucanas” no estado de São Paulo. O PSDB está à frente do governo desde 1995. “O estado está perdendo a participação da população a cada ano que se passa. São Paulo precisa retomar o espaço de desenvolvimento no país”, afirmou.

Entretanto, o Marinho deixou claro que a “bússola principal” nas eleições de 2018 é a disputa pela presidência da República, com a candidatura de do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para ele, caso o nome do ex-presidente seja impedido judicialmente, a eleição estará corrompida. “Sem a participação de Lula, não é eleição, é fraude eleitoral. Estamos convictos de que chegaremos ao processo eleitoral com Lula como candidato”, garantiu o presidente do PT-SP.

Ao falar da ação penal que envolve o ex-presidente e o caso do apartamento no Guarujá, Marinho reafirmou não acreditar em uma condenação caso o juiz Sérgio Moro venha a “avaliar o processo de verdade”. “Se Moro for juiz e respeitar a Justiça, absolverá Lula.”

Ele acredita que o PT, diferentemente das eleições municipais de 2016, voltará mais forte em 2018. “O processo que aconteceu em 2016 eram pontos que iriam passar. As pesquisas apontam que o eleitorado volta para o seu leito durante a crise. Após o fracasso de Temer, com PSDB, PMDB e DEM, a gente estará forte em 2018”, disse.

Confira a entrevista completa: