No Senado

Governo tenta mudar local de votação, acusa a oposição

Com 'ocupação' da mesa diretora, presidente da Casa suspendeu a sessão, apagou a luz e cortou os microfones. Parlamentares tentam acordo

cut.org.br
vfreitas6.jpg

“Daqui a pouco farão a votação no banheiro”, disse Vagner Freitas, que tenta acompanhar votação

São Paulo – Diante da manifestação da oposição, que ocupou a mesa diretora do Senado, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), tenta transferir a sessão do plenário para o Auditório Petrônio Portela, acusam senadores e sindicalistas. Pouco depois do meio-dia, sem conseguir ocupar a mesa, Eunício mandou apagar a luz e cortar os microfones, retirando-se em seguida. Em pauta, o projeto de “reforma” trabalhista (PLC 38).

Em nova transmissão feita há pouco por rede social, o presidente da CUT, Vagner Freitas, disse que a base governista tenta mudar o local de votação. “Daqui a pouco farão a votação no banheiro”, ironizou, protestando contra o fato de sindicalistas teriam sido barrados enquanto, segundo ele, representantes patronais têm livre acesso.

“Estão claramente preparando o Petrônio Portela para ter uma sessão alternativa. Isso vai trazer mais tensão ainda”, comentou o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ).

Enquanto tentam forçar a votação, parlamentares da base governista estariam tentando fechar uma medida provisória que veta e altera itens do projeto. Mesmo com críticas internas ao texto, os governistas querem aprovar o PLC 38 sem alterações, para evitar retorno do texto à Câmara. 

Neste momento (14h30), Eunício e oposição estão reunidos para tentar um acordo que permita a retomada da sessão.

Leia também

Últimas notícias