Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 06 / Governadores se mobilizam em defesa de eleições diretas

crise política

Governadores se mobilizam em defesa de eleições diretas

Grupo avalia que sozinha oposição não tem forças para fazer passar proposta no Congresso e população precisa ir às ruas, com o apoio de movimentos sociais e governos estaduais
por Hylda Cavalcanti, para a RBA publicado 02/06/2017 13h44, última modificação 02/06/2017 13h53
Grupo avalia que sozinha oposição não tem forças para fazer passar proposta no Congresso e população precisa ir às ruas, com o apoio de movimentos sociais e governos estaduais
divulgação
governadores do ne.jpg

Costa, Coutinho e Dias: medidas urgentes para contornar a crise e revitalizar a democracia no país

Brasília – Governadores do PT, de siglas oposicionistas e até de partidos que romperam com o governo Michel Temer, como o PSB, pretendem se reunir para ampliar apoio à realização de eleições diretas no país, o que pode sair, segundo alguns deles, por meio de uma carta pública. A intenção do encontro será discutir de forma firme os rumos do país, que podem mudar dependendo da sessão de terça-feira (6) do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ou tribunal começa a julgar nesta data, em definitivo, o processo sobre a chapa Dilma-Temer em 2014, com chances de cassar o mandato do presidente da República, ou postergar a decisão com algum pedido de vista.

A posição de vários governantes é que, por conta disso, o debate é “mais que urgente”. O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), ex-senador, que está em Brasília para participar do congresso nacional do PT, disse hoje (2), no que chamou de avaliação realista, que somente a oposição não teria forças para aprovar uma proposta referente à realização de eleições diretas no âmbito do Legislativo, nem nas comissões técnicas nem nos plenários das duas casas do Congresso (Câmara e Senado).

Mas Dias vê de forma positiva a vontade da população de ir para as ruas e pedir pelas diretas, o que, segundo ele, tende a ser observado ainda mais, daqui por diante. “O PT tem pretensão de voltar a ser governo e caminhar para fazer o país sair da crise econômica, mas queremos fazer tudo com muito diálogo. E o caminho só pode ser resolvido pela via mais democrática”, afirmou.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), que esteve na capital do país na última quarta-feira (31) para uma reunião sobre incentivos fiscais para os estados, lembrou que os petistas e os movimentos sociais possuem posição clara pelas diretas e confirmou que está conversando sobre o assunto com outros colegas para que se chegue a uma posição conjunta. Costa negou que o tema tenha sido um dos pontos da reunião que participou, mas destacou que o país precisa ter uma solução que acene para a estabilidade até dezembro de 2018.

‘Apego ao cargo’

Rui Costa foi o primeiro governante a defender, logo que explodiu a última crise política – provocada pela divulgação das gravações de conversas entre Michel Temer e o empresário Joesley Batista negociando o pagamento de suposta propina – que as medidas para contornar a crise precisam ser tomadas com urgência. E a dizer que, se o caminho tiver de ser a antecipação das eleições de 2018, ele concorda, mesmo que isso reduza o seu mandato. “Não podemos ter apego ao cargo num momento desses. Se o caminho tiver de ser assim, precisamos todos ficar acima dos nossos interesses políticos”, acrescentou.

Na Paraíba, o governador Ricardo Coutinho (PSB), que sempre se posicionou contrário ao processo de impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, disse que “o país não comporta mais aventuras políticas” e, por isso, defende a realização das diretas. “Quem troca governante é o povo. Se funciona mantém, se não funciona, troca.” De acordo com Coutinho, sua posição ao lado dos demais governadores se dá porque, a seu ver, “a democracia do Brasil não pode mais sofrer ataque”. “O submundo do capitalismo não pode aprisionar a política e foi que aconteceu. É preciso resgatar a independência da política, diminuindo a influência do poder econômico.”

“Existe uma ação de alguns setores para que o povo deixe de acreditar que é capaz de mudar algumas coisas através da política. Não se pode simplesmente dizer ao povo para desistir do Brasil. Tem que efetivamente olhar para esse país, compreender as suas dificuldades e entender que foram geradas por escolhas coletivas equivocadas, mas uma escolha equivocada pode ser a correta em outro momento”, afirmou ainda o paraibano.

‘Posição inegociável’

Também o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), considera que a atual crise política do país resulta da contradição entre anseios populares, da classe trabalhadora e os setores dominantes. E, por isso, vê a bandeira das Diretas Já como a mais correta.  “Neste momento o consenso das elites é no sentido de evitar a contradição que se reflete nos anseios do povo e a luta pelas diretas é o melhor a ser feito.”

O ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner atual secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia e ex-governador daquele estado por duas vezes, se aliou aos governadores. Wagner disse que o centro da luta política não pode ser a discussão da saída ou não de Temer do cargo e que as pessoas precisam continuar nas ruas pedindo eleições diretas.

“A posição do PT é inegociável em torno das diretas”, reiterou. Wagner chegou ao ponto de irritar alguns colegas ao acrescentar que “é preferível ver Temer continuar no cargo a ver um novo presidente eleito por eleições indiretas”. Apesar de ter sido acusado de ter tido um “destempero verbal” com a frase, a declaração de Wagner foi feita em tom de provocação, já que ele próprio lembrou várias vezes o caráter golpista do atual governo e repetiu a frase de que “Temer traiu Dilma”.