Home Política Temer revoga convocação das Forças Armadas contra manifestações
RECUO

Temer revoga convocação das Forças Armadas contra manifestações

Parlamentares da oposição, que tinham ajuizado mandado de segurança no STF, querem agora pedir providências judiciais por afronta à Constituição
Publicado por Hylda Cavalcanti, da RBA
12:46
Compartilhar:   
Clauber Caetano/PR
jungmann.jpg

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, anuncia revogação do decreto que autorizava ações das Forças Armadas contra manifestações populares

Brasília – Os ministros da Defesa, Raul Jungmann, e do gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Sergio Etchegoyen, anunciaram, no fim da manhã desta quinta-feira (25), a revogação do decreto baixado na véspera que estabeleceu ação das Forças Armadas na capital do país para Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Apesar de terem reafirmado que a medida – tomada ontem para coibir a marcha em Brasília contra as reformas trabalhista e da Previdência e pela renúncia de Michel Temer –, não foi inconstitucional, o recuo foi recebido por especialistas em segurança pública, autoridades do Governo do Distrito Federal (GDF) e parlamentares da oposição como reconhecimento de que houve exagero no uso da força contra os manifestantes.

A justificativa principal dada por Jungmann foi de que de 2010 a 2017 foram realizadas ações de GLO 29 vezes no Brasil. Mas o ministro citou, como exemplos, situações como a realização das Olimpíadas e apoio das Forças Armadas para combate às operações de remoção de traficantes de drogas dos morros do Rio de Janeiro, além de situações críticas em presídios e de greve de policiais civis no Espírito Santo. O que, na avaliação de muitos deputados e senadores, “não pode ser comparado com uma manifestação livre de cidadãos em Brasília”. 

Parlamentares se reuniram em seguida com suas bancadas no Congresso para estudar a possibilidade de elaborar um pedido de responsabilização judicial do Executivo pelo descumprimento de preceitos constitucionais. 

O deputado Henrique Fontana (PT-RS), um dos primeiros a falar sobre a revogação da GLO, disse que o presidente Michel Temer revogou um decreto que “jamais deveria ter assinado”. Fontana lembrou que o papel da Segurança Pública e da Polícia Militar é atuar, justamente, em passeatas como a que foi observada ontem e não caberia, jamais, a interferência das Forças Armadas como se viu.

De acordo com senadores petistas, “a ação viola a lei que regulamenta a previsão constitucional de uso das Forças Armadas para preservar a lei e a ordem, além do direito constitucional fundamental de reunião e livre manifestação”. Uma vez que, conforme o documento entregue por eles ao STF, a GLO somente pode ser acionada se forem esgotados todos os instrumentos destinados à preservação da ordem pública, comprovado pelo reconhecimento expresso do chefe do poder local.

Os senadores também lembraram que ontem, já tarde da noite, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), reconheceu que não houve conhecimento prévio ou anuência do seu governo para a publicação do decreto, fato que confirma o descumprimento da Lei Complementar nº 97/99 (artigo 15, parágrafos 2º e 3º), referente às autorizações para ações de GLO.

Rollemberg recebeu na terça-feira (23) parlamentares do PT, que pediram uma atuação do governo do DF no sentido de evitar ações truculentas dos policiais. Ele havia se comprometido a fazer o possível para evitar violência contra os manifestantes.

Na noite de ontem, dois mandados de segurança foram ajuizados no Supremo Tribunal Federal para pedir a revogação da ação de GLO na capital federal. Um pela bancada do Psol no Senado e outro, pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).