Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 03 / Temer indica primo de Gilmar Mendes para direção de agência reguladora

Toma lá...

Temer indica primo de Gilmar Mendes para direção de agência reguladora

Ministro, que deve julgar presidente no TSE, se encontrou com ele no Palácio do Jaburu no último domingo, em agenda extra-oficial
por Redação RBA publicado 14/03/2017 12h36, última modificação 14/03/2017 14h25
Ministro, que deve julgar presidente no TSE, se encontrou com ele no Palácio do Jaburu no último domingo, em agenda extra-oficial
Anderson Riedel/VPR
Temer e gilmar

Encontro entre Temer e Gilmar no último domingo (12) não constou na agenda oficial

São Paulo – O presidente Michel Temer (PMDB-SP) nomeou Francisval Dias Mendes, primo de Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), para a direção da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). A decisão foi publicada na edição desta terça-feira (14) do Diário Oficial da União. Para confirmar a nomeação, Francisval deverá ser sabatinado pelo Senado.

Atualmente, o primo de Gilmar ocupa o cargo de diretor-ouvidor da Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager-MT), indicado pelo então governador Blairo Maggi, ministro da Agricultura de Temer e amigo de Gilmar.

Como presidente do TSE, Gilmar deverá participar do julgamento do processo que pede a cassação da chapa Dilma-Temer, que pode interromper o mandato do atual presidente. No último domingo (12), Temer e Gilmar se reuniram no Palácio do Jaburu. O encontro, que não foi divulgado em suas respectivas agendas oficiais, foi para tratar da reforma política, segundo eles. 

Ainda na semana passada, em entrevista à agência Reuters, Mendes afirmou que, mesmo com a cassação da chapa, Temer manteria os direitos políticos e estaria habilitado a se candidatar em eventual eleição indireta e, assim, se vitorioso, seguiria na cadeira da presidência. Segundo o ministro, a punição por abuso de poder, no processo em curso no TSE, recairia apenas sobre a cabeça da chapa (a ex-presidenta Dilma Rousseff), ainda que o vice tenha participado.