Home Política No aniversário de São Paulo, movimentos sociais protestam contra retrocessos de Doria
praça da sé

No aniversário de São Paulo, movimentos sociais protestam contra retrocessos de Doria

Evento chamado de 'cartão de visita ao governo Doria' denuncia ações higienistas do prefeito, e políticas sinalizadas para saúde, educação, mobilidade urbana, ambulantes e população em situação de rua
Publicado por Redação RBA
15:58
Compartilhar:   
Ricardo Stuckert/Instituto Lula
manifestação sé.jpg

Protesto é convocado pela Central de Movimentos Populares

São Paulo – Movimentos sociais realizam nesta quarta-feira (25), dia do aniversário de 463 anos da fundação da cidade de São Paulo, um protesto contra a gestão do prefeito João Doria (PSDB). A concentração está marcada para começar às 9h, na Praça da Sé. E o objetivo é mandar um primeiro recado de diversas organizações populares que veem com preocupação as ações de retrocesso e higienistas adotadas pelo tucano após pouco mais de três semanas de governo. As políticas sinalizada pela gestão para áreas da saúde, educação, mobilidade urbana, ambulantes e população em situação de rua são os principais alvos do protesto.

A manifestação é organizada pela Central de Movimentos Populares (CMP), o Levante Popular da Juventude e a Marcha Mundial das Mulheres. Segundo o coordenador da CMP, Raimundo Bonfim, o prefeito Doria é “enganador”. “Suas primeiras medidas são semelhantes às realizadas em 1902, pelo prefeito do Rio de Janeiro Pereira Passos, que em nome do embelezamento da cidade praticou atrocidades contra a população pobre, com ações higienistas, como as que Doria está adotando contra os moradores em situação de rua, dependentes químicos e trabalhadores ambulantes e ao que ele considera como feio”, criticou, referindo-se à guerra do prefeito de contra grafites ao longo da Avenida 23 de Maio – reconhecidos mundialmente como forma de expressão artística urbana.

A CMP afirma que o ato tem como objetivo denunciar que as atenções de Doria estão voltada aos interesses do mercado. “O que se mostra para os próximos anos é um total retrocesso nas políticas para mulheres, da igualdade racial, da população LGBT e da mobilidade urbana.”

Outras pautas levantadas pelo movimento são a falta de proposta para a construção de moradia popular, as alterações feitas no bilhete único, a perseguição aos ambulantes e os cortes nos benefícios aos alunos da rede municipal de educação. O prefeito, que tem dedicado os primeiros dias de governo a gastar recursos de marketing, já anunciou corte no programa Leve Leite por falta de verbas.