são paulo

Bancada do PT pode pedir impeachment de Alckmin

Revelação de que o governador recebeu R$ 2 milhões em caixa dois e era o 'Santo' das planilhas de propina da Odebrecht motiva avaliação dos petistas

Eduardo Saraiva/A2IMG
alckmin molhadowen.jpg

PT: Alckmin engana a população com discursos sobre ética

São Paulo – A denúncia de que a campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) ao governo paulista, em 2010 e 2014, foi abastecida com propina e caixa, publicada hoje (9) pelo jornal Folha de S.Paulo, está sendo analisada pela bancada do PT na Assembleia Legislativa paulista para embasar um pedido de impeachment do governador. O vulgo “Santo”, que aparecia nas planilhas de propina da Odebrecht apreendida pela Polícia Federal (PF) oculta o nome de Alckmin. Ele teria recebido R$ 2 milhões em dinheiro vivo da empreiteira.

O codinome “Santo” também foi utilizado em um e-mail datado de 2004, enviado pelo executivo da Odebrecht Marcio Pelegrino, que gerenciou a construção da Linha 4-Amarela (Butantã-Luz) do Metrô paulista, primeiro modelo construído por parceria público-privada no país. Na mensagem, o executivo dizia que era preciso fazer um repasse de R$ 500 mil para a campanha “com vistas a nossos interesses locais”.

A bancada do PT avalia que o governador e o atual ministro das Relações Exteriores e ex-governador paulista, José Serra, enganam a população com discursos sobre ética. “São hereges dissimulados, discursam como paladinos da moralidade, ludibriam a opinião pública, sustentados na blindagem construída ao longo do tempo, por meio da maioria quase absoluta no parlamento estadual, e com a parcimônia de amplos setores da imprensa e alguns integrantes do Ministério Público, como se vê constantemente procuradores sendo alçados ao cargo de secretários de estado”, defendeu a bancada em nota publicada hoje (9). 

Os deputados petistas listaram uma série de escândalos de corrupção dos governos tucanos em São Paulo, dentre eles as fraudes em licitações no Metrô e na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), em conluio das multinacionais Alstom e Siemens; as desapropriações fraudulentas em obras do Rodoanel; e, atualmente, o caso da Máfia da Merenda, objeto de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que acaba terça-feira (13), cujo relatório isentou o governador e todos os políticos mencionados nas denúncias da Operação Alba Branca. 

“A bancada do PT classifica como extremamente grave a denúncia de corrupção e destaca que o PSDB levou ao Tribunal Superior Eleitoral a denúncia de caixa dois contra a candidatura de Dilma Rousseff em 2014 e, por conta disso, espera-se dos dirigentes tucanos apoio às denúncias ora apresentadas pelos delatores da Odebrecht, que serão motivo da denúncia da bancada do PT ao Tribunal Regional Eleitoral (TER)”, diz em nota.

Leia também

Últimas notícias