Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 10 / Senado descumpre acordo, antecipa pauta e aprova MP do setor elétrico

Privatização

Senado descumpre acordo, antecipa pauta e aprova MP do setor elétrico

Segundo oposição, texto consiste em mais uma matéria privatista, entre as várias iniciativas do governo Temer para abrir o patrimônio nacional ao capital estrangeiro
por Hylda Cavalcanti, da RBA publicado 20/10/2016 14h04, última modificação 20/10/2016 14h51
Segundo oposição, texto consiste em mais uma matéria privatista, entre as várias iniciativas do governo Temer para abrir o patrimônio nacional ao capital estrangeiro
Ag.Senado
eletrico.jpg

Base aliada no Senado aproveitou o clima tumultuado pela prisão de Cunha para descumprir acordo e votar a MP 735

Brasília – A base aliada do governo Michel Temer no Senado aproveitou o clima tumultuado de ontem (19), em função da prisão do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para descumprir acordo e votar a Medida Provisória (MP) 735, que abre brechas para a privatização do setor elétrico. A matéria tinha prazo para ser votada até hoje – ou caducaria e teria de aguardar novo texto para recomeço de todo o rito de tramitação.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tinha prometido aos ministros da articulação política do governo, em especial Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), aprovar a MP em ritmo célere nesta quinta-feira (20) e não ontem, mas a oposição, que já tinha reclamado da falta de debate sobre o assunto na Câmara, queria prorrogar a discussão. A medida facilita processos de privatização e permite a desestatização de distribuidoras estaduais que foram federalizadas. Como a votação ocorreu nas duas Casas legislativas, a MP segue agora para sanção presidencial.

Entre alguns destaques, a medida provisória determina que o custo adicional de US$ 240 milhões ao ano (cerca de R$ 900 milhões em 2016) que o Brasil paga ao Paraguai pela sobra de sua energia de Itaipu não será mais arcado pelo Tesouro Nacional, mas repassado ao público. A medida atinge, dessa forma, os consumidores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, uma vez que o Norte e o Nordeste não consomem energia daquela hidrelétrica.

De acordo com cálculos do setor, tal custo representará aumento de 0,3% nas contas de luz. Como o efeito é retroativo a janeiro, o reajuste do próximo ano deverá contemplar o passivo de 2016 e os recursos para 2017.

Perdão de multas

Já em relação aos empreendimentos de geração de energia que nos últimos 24 meses tiveram sua concessão (ou autorização) revogada por atraso no funcionamento, a MP estabelece um perdão de 80% das multas contratuais, com rescisão dos contratos de venda de energia. Também prevê isenção do pagamento pelo uso de bem público de aproveitamento hidrelétrico e liberação ou restituição de 70% das garantias – que foi aprovado pelos deputado.

Da mesma forma, para facilitar a venda de distribuidoras de energia elétrica assumidas pela Eletrobras na década de 1990, o texto ainda permite à União transferir o controle acionário dessas empresas por 30 anos ao vencedor do leilão.

As regras foram aprovadas diante da reclamação de parlamentares que são contra a privatização no país. Na última terça-feira (18), durante audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado, estes deputados e senadores, ao lado de integrantes do Comitê de Defesa das Estatais e da Federação Única dos Petroleiros (FUP), incluíram a matéria entre as demais que são consideradas prejudiciais para os trabalhadores e para a preservação do patrimônio nacional.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) disse que as bancadas que integram atualmente o Congresso fizeram um “pacto de bengalas, casacas e cartolas que parece excluir a sociedade brasileira”. Segundo ela, “esse pacto precisa ser combatido com mais força pelos partidos que possuem uma atuação voltada para a defesa dos trabalhadores, daqui por diante”.

PL do pré-sal na Câmara

A expectativa é que uma segunda matéria de caráter privatista, o Projeto de Lei 4.567, que flexibiliza as regras do pré-sal, tenha sua votação concluída hoje. Neste caso, na Câmara dos Deputados – mas ainda não se sabe se a votação será realizada.

O projeto já teve aprovado o seu texto base, mas depende da apreciação de emendas de destaque que podem alterar o texto. O problema é que a sessão precisa de quórum e nem todos os deputados confirmaram presença na Casa nesta quinta-feira.

A sessão extraordinária foi aberta às 9h, mas suspensa em seguida para a realização de um evento solene no plenário, em homenagem ao Lions Internacional. A retomada dos trabalhos pode ser por volta das 15h, ou ser cancelada em definitivo - o que adiará a tramitação deste e dos demais itens da pauta para a semana que vem.