Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 10 / Campanha de defesa das estatais é lançada em dia de debate de matérias privatistas

Propostas polêmicas

Campanha de defesa das estatais é lançada em dia de debate de matérias privatistas

Durante audiência pública, sindicalistas e parlamentares debateram sobre resultado das privatizações feitas no país na década de 1990 e alertaram para futuros danos com propostas em tramitação
por Hylda Cavalcanti, da RBA publicado 18/10/2016 15h15, última modificação 18/10/2016 15h35
Durante audiência pública, sindicalistas e parlamentares debateram sobre resultado das privatizações feitas no país na década de 1990 e alertaram para futuros danos com propostas em tramitação
Geraldo Magela/Agência Senado
estatais.jpg

Participantes de audiência pública prometeram lutar pela Frente Parlamentar Mista em Defesa das Estatais

Brasília – Com a presença de parlamentares, representantes de federações, sindicatos e movimentos sociais, o Comitê Nacional de Defesa das Estatais lançou, hoje (18), na Comissão de Direitos Humanos do Senado, a campanha “Se É Público É Para Todos”, que tem o propósito de chamar a atenção da sociedade para as propostas legislativas que abrem brechas para a privatização dessas empresas. A campanha foi lançada durante audiência pública que discutiu a crise política, econômica, social e ética do país à luz dos direitos humanos, dentro do entendimento de que todos estes problemas estão diretamente relacionados ao que o comitê chama de “tentativa de desmonte do Estado”.

Por conta disso, os debates abrangeram não apenas as propostas que estão em curso para votação nos próximos dias, como a continuidade do Projeto de Lei (PL) 4.567, que flexibiliza as regras do pré-sal, a Medida Provisória (MP) 735, que altera as regras para as concessionárias do setor elétrico e o segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que congela os gastos públicos por 20 anos.

O secretário de Relações Internacionais e Empresas Privadas da Federação Única dos Petroleiros (FUP), João Antônio de Moraes, lembrou que por causa da privatização feita na década de 1990, o país já perdeu todo o seu parque siderúrgico, a telefonia e boa parte do setor elétrico. “Além disso, antes do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso a sociedade detinha 86% do capital acionário da Petrobras. Depois do governo FHC, passamos a deter apenas 40% desse capital”, reclamou.

Para o representante da FUP, a retomada de investimentos na companhia petrolífera feita a partir de 2003 possibilitou que a Petrobras voltasse a crescer. Ao passo que o resultado das privatizações como um todo, segundo ele, levou a perdas para o país, principalmente no segmento de metalurgia. “Em todas as áreas que foram privatizadas houve aumento de preços ao consumidor”, ressaltou.

Moraes também disse, ao comentar a PEC 241, que o governo Temer, por meio dessa proposta, vai ousar fazer a maior alteração já promovida na Constituição Federal de 1988. “E isso por parte de um governo ilegítimo”, acusou. “Quero lembrar aqui que nem FHC ousou tanto, e isso tendo sido eleito no primeiro turno, ao contrário deste, que não tem voto. Prefiro chamar o Temer de gerente do que de presidente”, acrescentou.

Já o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Jair Ferreira, afirmou que o bem público “parece que virou uma doença, um mal para o país, dentro dos argumentos que têm sido apresentados pelo governo de Michel Temer”. "No entanto, o que vemos é que as empresas públicas são um caminho para o cidadão que precisa dos serviços do Estado."

De acordo com o dirigente da Fenae, “se avaliarmos a década de 1990, veremos que tirando poucas exceções, os bancos públicos foram liquidados”. “Esse sistema financeiro foi reconstruído a partir de 2003, tanto que a Caixa Econômica, naquela época, tinha cerca de 2 mil funcionários e hoje conta com 4 mil. Também foram ampliados os serviços oferecidos, a Caixa passou a gerir programas como o Bolsa Família, o Minha Casa, Minha Vida e houve a centralização do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), quando se criou um conselho curador. A partir daí, por meio desse sistema, os trabalhadores passaram a saber onde estava o seu fundo de garantia. E é isso que estão querendo acabar”, acrescentou.

Ruas e chãos de fábrica

O diretor de Relações Sindicais do Sindicato dos Bancários de Goiás, Willian Louzada, ressaltou que em toda a história recente do país tem sido observado, agora, o maior ataque já visto à classe trabalhadora.  Ele conclamou a todos para que o debate seja levado para os chãos de fábrica e para as ruas, de forma que a classe trabalhadora fique ciente de todas estas ameaças. “É importante que tenhamos acesa essa luz e consciência de que a luta precisa ser de todos nós”, disse.

A coordenadora do Comitê de Defesa das Estatais, Maria Rita Serrano, afirmou que a desculpa errada para a tramitação das propostas legislativas que ameaçam o país é a corrupção. “Infelizmente, este é um problema endêmico e de visão e formação ideológica para o capitalismo. Todos somos contra a corrupção e os argumentos apresentados para justificar estas propostas estão errados. A questão é outra: temos 1% da população do mundo com mais de 90% da renda mundial. Se alguém tem muito, falta dinheiro em algum lugar”, explicou.

Rita disse que a campanha visa a conscientizar a população sobre “a importância do público, do coletivo, do que é social”. “A ideia é popularizar a campanha, que já foi lançada em 14 estados. Mostrar tudo o que está em jogo, porque ou nos movimentamos, ou os parlamentares votam contra estas matérias, ou resistimos. Caso contrário, vamos levar anos para nos recuperar dos prejuízos a serem observados.”

Para a senadora Erika Kokay (PT-DF), não é possível tratar os ataques do governo Temer de forma isolada. “O que estamos vendo é um ataque a todo o patrimônio público. É importante que todos procurem os deputados da sua base, porque isso é muito sério”, alertou.

‘Pacto para a elite’

Erika ressaltou ainda que o que existe hoje no Congresso é um “pacto de bengalas, casacas e cartolas que parece excluir a sociedade brasileira”. “Não é verdade que está em curso um Estado mínimo para o país. É Estado mínimo para o povo, mas um Estado forte e cheio de volúpia para a elite.” A senadora Regina Souza (PT-PI) disse que o Senado ainda é a caixa de ressonância de debates dos projetos polêmicos e que representam perdas. De acordo com ela, os senadores de tudo farão para aprofundar a discussão e impedir a aprovação destes textos. “Estamos aqui para contribuir com vocês”, afirmou.

Outros senadores, como o presidente da comissão, Paulo Paim (PT-RS), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Fátima Bezerra (PT-RN), também destacaram que o tema a ser discutido deve ser a crise política e econômica, de forma a conscientizar a população de que o que de fato está em curso no país é um desmonte do Estado e uma proposta para colocar o Brasil num caminho privatista.

Os parlamentares, sindicalistas e representantes dos movimentos prometeram coletar o máximo de assinaturas, para permitir a criação da chamada Frente Parlamentar Mista em Defesa das Estatais. Eles continuam no Congresso para acompanhar, das galerias, a votação das emendas de destaque, na Câmara, do PL 4.567 e no Senado, da MP 735. Mas, diante do atraso para início da sessão conjunta do Congresso, que termina atrasando as sessões nas duas Casas, não se sabe se os textos poderão ser apreciados ainda hoje.

registrado em: , ,