intenção de voto

Vox Populi: Lula lidera 1º turno de 2018 em todos os cenários

Levantamento mostra que o petista poderia disputar o segundo turno com Aécio Neves ou Marina Silva

Roberto Stuckert.institutolula
luuula.jpeg

Além de Lula, todas as simulações incluem como candidatos Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro (PSC)

CartaCapitalPesquisa Vox Populi/CartaCapital divulgada hoje (5) aponta que, se a eleição presidencial de 2018 fosse hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) seria o candidato mais votado no primeiro turno nos três cenários pesquisados.

Além de Lula, todas as simulações incluem como candidatos Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro (PSC) – o que muda em cada uma delas é o representante do PSDB. A margem de erro é sempre de dois pontos percentuais, para cima ou para baixo.

No primeiro cenário, Lula aparece com 28% dos votos, seguido por Aécio Neves (PSDB), com 18%. Na sequência estão Marina (15%), Ciro Gomes (6%) e Bolsonaro (7%). Brancos e nulos somam 20%, e outros 7% não sabem ou não responderam.

Na simulação na qual o candidato tucano é Geraldo Alckmin, o resultado não leva o PSDB para o segundo turno. Enquanto Lula tem 29% das intenções de voto e Marina aparece com 18%, Alckmin acumula apenas 11%, o que lhe rende o terceiro lugar, seguido por Bolsonaro (7%) e Ciro Gomes (6%). Brancos e nulos somam 21%, e 8% não sabem ou não responderam.

O cenário com José Serra (PSDB) também não favorece os tucanos, e novamente o líder Lula (29%) enfrentaria Marina (19%) no segundo turno. Serra viria na sequência, com 13% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro (7%) e Ciro Gomes (6%). O índice de brancos e nulos se mantém alto (20%), e 7% não sabem ou não responderam.

Rejeição e simpatia

A pesquisa Vox Populi, que ouviu 1.500 pessoas em 97 municípios do País, também mediu o grau de rejeição e de simpatia aos partidos (PT, PSDB e PMDB).

O levantamento realizado entre os dias 29 de julho e 1º de agosto aponta que, ao mesmo tempo em que o PT é o partido que mais desperta a simpatia do eleitorado (12%, contra 4% do PSDB), é também o mais rejeitado: 27% dos entrevistados afirmam recusar o PT.

De acordo com o levantamento, 75% dos entrevistados afirmaram não ter simpatia por nenhum partido.

Retrocessos

Entre as “medidas amargas” prometidas pelo presidente interino está a imposição de uma idade mínima para a aposentadoria, que extinguiria as formas atuais de obter o benefício (o fator previdenciário e a fórmula 85/95). Conseguir apoio popular para a mudança, no entanto, não será fácil.

De acordo com a pesquisa, 82% dos brasileiros consideram que elevar a idade para a aposentadoria “é uma medida ruim e vai prejudicar as pessoas”. O número é cinco pontos percentuais maior ao verificado em pesquisa semelhante realizada no início de junho.

Para 11%, o aumento da idade para a aposentadoria é “uma medida necessária, que vai prejudicar muita gente” (eram 16% em junho) e para 3% é uma “medida necessária, que vai prejudicar pouca gente”. Outros 4% não sabem ou não quiseram responder.

Outra medida impopular seria o aumento da jornada de trabalho, sugerida a Temer por empresários no início de julho. Perguntados sobre a possibilidade de a jornada ir das atuais 44 horas semanais para 60 horas, 86% dos entrevistados se disseram contra a medida, contra 8% favoráveis (6% não responderam).

Em linha antagônica à preservação de direitos, 38% dos entrevistados disseram avaliar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) como uma legislação “atrasada e prejudicial ao Brasil”, enquanto 36% classificam a lei como “necessária, e uma proteção aos trabalhadores”.

Outra medida defendida pelo governo Temer que não desfruta de apoio da população é o fim do monopólio da Petrobras no pré-sal. Para 51%, trata-se de uma medida “ruim, que vai prejudicar o Brasil”. Para 17%, a medida “é necessária e não vai prejudicar o Brasil”. Outros 31% não responderam.