Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 06 / Bancários de São Paulo param em defesa dos direitos

Protesto

Bancários de São Paulo param em defesa dos direitos

Trabalhadores participam de ato conjunto na Avenida Paulista com movimentos sociais na tarde desta sexta-feira (10)
por Redação RBA publicado 10/06/2016 12h47, última modificação 10/06/2016 15h17
Trabalhadores participam de ato conjunto na Avenida Paulista com movimentos sociais na tarde desta sexta-feira (10)
SIND. BANCÁRIOS SP
Juvandia

Juvandia: 'Não vamos aceitar mudanças nas regras da Previdência e flexibilização da CLT, não vamos pagar o pato'

São Paulo – O Centro Administrativo Brigadeiro do Itaú, o Bradesco Prime, a superintendência São Paulo do Banco do Brasil, a unidade Paulista da Caixa Econômica Federal e diversas agências da região do principal centro financeiro de São Paulo estão com atividades paralisadas hoje (10). O movimento integra o dia nacional de protestos contra a retirada de direitos convocado pelas frentes Brasil Popular e Povo sem Medo. Cerca de 80 unidades estão fechadas, e mais de 10 mil bancários participam do protesto.

"Os bancários estão dando recado de que não aceitam, entre outros ataques, mudanças na Previdência Social que venha a prejudicá-los, como a imposição da idade mínima de 65 anos para que tanto o trabalhador quanto a trabalhadora possam se aposentar", afirma a secretária-geral do sindicato da categoria, Ivone Maria da Silva.

"Os trabalhadores estão mobilizados contra a retirada de direitos. Não vamos aceitar mudanças nas regras da Previdência e flexibilização da CLT, não vamos pagar o pato. Os patrimônios públicos nacionais estão também em risco: Petrobras, BB e Caixa estão na mira das privatizações previstas. Até uma medida provisória já foi editada nesse sentido (MP 727), concursos e contratações foram suspensos", reforça a presidenta do sindicato, Juvandia Moreira.

A participação dos bancários de São Paulo, Osasco e região no protesto foi definida em assembleias realizadas em centenas de locais de trabalho nos dias 2, 3 e 6. Dos 14.941 funcionários que participaram da votação, 12.095 ou 81% dos votantes, disseram sim para o ato que em todo o Brasil manifesta a luta contra a retirada de direitos. Os trabalhadores também protestam contra a aprovação de projeto de lei que autoriza a terceirização sem limites e de propostas que venham a flexibilizar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), provocar demissões, retirar direitos e achatar salários.

Além disso, o protesto também é contra a privatização das empresas públicas, como Banco do Brasil e Caixa Federal.

Ato unificado

O protesto desta sexta será encerrado com um ato conjunto de diversas categorias. A concentração está marcada para as 17h no vão livre do Masp, na Avenida Paulista.

Com informações do Sindicato dos Bancários de São Paulo