Você está aqui: Página Inicial / Política / 2016 / 05 / PGR pede investigação sobre Aécio, Cunha e cúpula do PMDB

PGR pede investigação sobre Aécio, Cunha e cúpula do PMDB

por michel publicado 02/05/2016 16h11
Antonio Cruz/Agência Brasil
janot.jpg

Rodrigo Janot pede investigações de denúncias feitas por Delcídio do Amaral para a Lava Jato

Brasil 247 – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou hoje (2) ao Supremo Tribunal Federal (STF)  pedido para que sejam abertos inquéritos contra vários políticos no âmbito da Operação Lava Jato, com base na delação premiada do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS).

Os pedidos envolvem o senador Aécio Neves (PSDB-MG), um dos principais defensores da queda da presidenta Dilma Rousseff, e a cúpula do PMDB no Senado, incluindo nomes como Romero Jucá (RR), Jader Barbalho (PA), Valdir Raupp (RO) e Renan Calheiros (AL), presidente da Casa. Nos pedidos de abertura de inquérito, Janot pretende investigar também o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Contra Aécio, há duas linhas de investigação: uma envolvendo suposto recebimento de propina de Furnas, e outra sobre a acusação de que o tucano maquiou dados do Banco Rural em CPI no Congresso para esconder irregularidades envolvendo o PSDB – neste caso, também deverá ser investigado o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que segundo Delcídio, sabia da maquiagem dos dados.

No termo de delação número 2, Delcídio afirmou que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) recebia "pagamentos ilícitos", pagos, segundo ele, pelo ex-diretor de Furnas Dimas Toledo. "O depoente disse que não sabe precisar, mas sabe que Dimas operacionalizava pagamentos e um dos beneficiários dos valores ilícitos sem dúvida foi Aécio Neves", informou trecho da delação.

No mesmo depoimento, Delcídio relatou que Eduardo Cunha também tinha pessoas indicadas em Furnas. Segundo ele, Cunha usava requerimentos para convocar empresários que tinham contratos com a estatal. "Este procedimento de fazer requerimentos e usar expedientes parlamentares é muito comum do Eduardo Cunha", destacou outro trecho.

Caso o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, determine abrir as investigações, Aécio, que é presidente nacional do PSDB, passará a ser oficialmente investigado no caso do esquema de corrupção da Petrobras.

Vital do Rêgo e Marco Maia

De acordo com os depoimentos de Delcídio, o ex-senador e atual ministro do TCU Vital do Rêgo e o deputado federal Marco Maia (PT-RS) "cobravam pedágios para não convocar" donos de empreiteiras investigada na Lava Jato, como Leo Pinheiro, da OAS, e Ricardo Pessoa, da UTC Engenharia.

Edinho Silva

Delcídio também relatou supostos pagamentos ilícitos envolvendo Edinho Silva, então tesoureiro da campanha da presidenta Dilma Rousseff em 2014, a empresas do ramo de saúde.

"Chamou a atenção do depoente que laboratórios farmacêuticos e planos de saúde estejam sendo prestigiados, atualmente, pelo governo federal. Há verdadeira queda de braço para indicação de nomes para as agências reguladoras relacionadas com a área da saúde, até pela visibilidade negativa que o caso Lava Jato impôs aos setores de energia, engenharia e petróleo.