Home Política Advogados de Lula dizem que declarações de Pedro Corrêa não têm ‘valor probatório’
resposta

Advogados de Lula dizem que declarações de Pedro Corrêa não têm ‘valor probatório’

Defesa do ex-presidente destaca que acusador já foi condenado e é reincidente: 'Não tem condições jurídicas nem morais'
Publicado por Jornal GGN
10:10
Compartilhar:   
reprodução/GGN
correa

Ex-deputado Pedro Corrêa foi condenado tanto no mensalão quanto na Lava Jato

GGN – Por meio de nota publicada ontem (30), os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmam que as declarações do ex-deputado Pedro Corrêa “não possuem qualquer valor probatório”, ressaltando que ele é condenado reincidente e sustentando que ele não tem “condições jurídicas nem morais” para contestar a Procuradoria-Geral da República, que não acusou o ex-presidente de nenhum crime na Ação Penal 470, que julgou o caso do mensalão.

Ex-deputado e ex-presidente do Partido Progressista (PP), Pedro Corrêa foi condenado tanto no mensalão quanto na Lava Jato. Na semana passada, em delação premiada, Corrêa acusa Lula de gerenciar pessoalmente o esquema de corrupção da Petrobras, incluindo a indicação de diretores da estatal à divisão do dinheiro desviado. A defesa do ex-presidente pediu acesso à delação de ex-deputado e criticou os vazamentos ilegais da Lava Jato.

Confira a íntegra da nota:

Declarações de Pedro Corrêa não têm valor probatório

Condenado reincidente, ex-deputado não tem condições jurídicas nem morais para contestar posição do Procurador Geral da República, que não acusou Lula de nenhum crime na Ação Penal 470. Defesa do ex-Presidente já requereu a Sérgio Moro e Teori Zavascki acesso a todo o material da delação, vazada ilegalmente para a mídia

As toscas declarações do condenado reincidente Pedro Corrêa para legitimar uma investigação contra o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no âmbito da Operação Lava Jato, não possuem qualquer valor probatório. O Procurador Geral da República não acusou Lula da pratica de nenhum crime na Ação Penal 470, conhecida como “mensalão”, já concluída. Retomar o tema nesse momento serve apenas para alimentar um processo midiático que tenta a qualquer custo manchar a honra e a reputação do ex-Presidente.

Pedro Corrêa não reúne condições jurídicas, tampouco morais, para colocar em dúvida essa posição do Ministério Público Federal à época, tomada com base em elementos concretos que apontavam a inocência do ex-Presidente, tal como se verifica também agora na Lava Jato.

A realidade é que as autoridades, após a devassa imposta a Lula e a seus familiares, não identificaram nada que pudesse comprometer a sua reputação, pela simples razão de que o ex-Presidente não praticou nenhum ato ilícito antes, durante e depois de exercer a Presidência da República.

Há uma clara tentativa de mascarar essa realidade através de sucessivas publicações fantasiosas e provenientes de pessoas que, por cumprirem pena na prisão após condenadas pela Justiça, estão dispostas a qualquer negociação em busca da liberdade.

Os advogados de Lula pediram ao Juiz Sérgio Moro e ao Ministro Teori Zavascki acesso a todo o material relativo à delação premiada negociada entre o Ministério Público Federal e Pedro Corrêa, após mais um vazamento ilegal da Operação Lava Jato.

Roberto Teixeira e Cristiano Zanin Martins

registrado em: , ,