Home Política Acordo no Senado permite novo adiamento do projeto das estatais
Próxima terça

Acordo no Senado permite novo adiamento do projeto das estatais

Entrada de governo nas negociações possibilita busca de consenso. Ideia é buscar texto que contemple pontos em comum dos substitutivos e retire itens rejeitados pelos representantes sindicais
Publicado por Hylda Cavalcanti, da RBA
14:33
Compartilhar:   
agencia senado cc
a9ac92a105ac844f72d1e1b3045003f4.jpg

Rita Serrano: “Existem itens que não podemos aceitar pelo caráter privatista que representam”

Brasília – Acordo entre senadores definiu a votação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 555 – criticado por entidades sindicais por abrir brechas para a privatização de empresas públicas – para a próxima terça-feira (15). É o quinto adiamento. A intenção dos parlamentares que trabalham para alterar trechos da matéria, tidos como prejudiciais para as estatais, é fazer com que sejam reunidos pontos do substitutivo de autoria do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e itens do outro texto, elaborado por representantes do Comitê Nacional de Defesa das Estatais.

Devido ao adiamento da votação, o comitê está orientando os servidores a intensificar a mobilização sobre a proposta nas bases, municípios e estados. “Sabemos que há avanços, mas também que há uma articulação de parlamentares do PSDB pela manutenção de pontos críticos. E existem itens que não podemos aceitar pelo caráter privatista que representam”, afirmou, hoje (10), a coordenadora do comitê, Rita Serrano.

Desde outubro, o grupo, formado por representantes dos trabalhadores e entidades sindicais, e que tem sido ajudado por vários senadores da base aliada, passou a contar formalmente com o apoio do governo – que orientou os parlamentares da sua base de sustentação a buscar pontos de consenso no texto. Essa terceira versão do projeto, discutida a partir da entrada do Executivo nas negociações, mescla o substitutivo com o original, mas não foi ainda apresentada oficialmente.

“Sabemos apenas que traz avanços, mas também que há a manutenção de pontos críticos. Não podemos fazer especulações. O que podemos afirmar é que há itens que não vamos aceitar pelo caráter privatista, como é o caso da transformação das empresas públicas em sociedades anônimas ou do impedimento de que trabalhadores participem da direção das empresas”, apontou Rita.

Mobilização

A coordenadora destacou que na próxima semana os trabalhadores voltarão a Brasília para intensificar a mobilização contra a privatização nas galerias do Senado e com os senadores, por meio de novas visitas aos gabinetes. “Foi essa pressão que fizemos desde o início que garantiu o adiamento da votação até agora e mudanças no texto original.”

Na manhã desta quinta-feira, a coordenadora do comitê e o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Jair Pedro Ferreira, participariam de encontro com os ministros Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) e Jaques Vagner (da Casa Civil) para tratar do assunto.

A proposta cria um estatuto das estatais, com o objetivo de tornar mais rígidas e transparentes as normas administrativas dessas companhias. O problema é que, da forma como se encontra, o PLS permite a abertura do patrimônio, mudanças nos conselhos administrativos e alteração de regras internas, como a autorização para criação de cargos sem concurso público.