Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 12 / 'Não há fundamento legal para impeachment', afirma Dilma

em salvador

'Não há fundamento legal para impeachment', afirma Dilma

Presidenta pediu que as pessoas envolvidas no processo de impeachment coloquem os “interesses do Brasil” acima de “interesses partidários”
por Redação RBA publicado 22/12/2015 14h44, última modificação 22/12/2015 16h21
Presidenta pediu que as pessoas envolvidas no processo de impeachment coloquem os “interesses do Brasil” acima de “interesses partidários”
Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma

Dilma: "No meu passado e no meu presente não há nenhuma acusação fundada contra mim"

São Paulo – A presidenta Dilma Rousseff declarou hoje (22) que o processo de impeachment vira golpe quando não há fundamento legal. Durante a entrega da Estação Pirajá, do sistema metroviário de Salvador, Dilma pediu que as pessoas envolvidas no processo de impeachment coloquem os “interesses do Brasil” acima de “interesses partidários”.

A presidenta afirmou que a Constituição apenas se aplica em caso de crime de responsabilidade, o que ela não cometeu. "Não há fundamento legal porque eu tenho uma vida ilibada. No meu passado e no meu presente não há nenhuma acusação fundada contra mim.”

Dilma também disse que os parlamentares favoráveis ao seu impeachment seguem a tese de “quanto pior, melhor”. “É pior para o povo brasileiro e melhor para uns poucos. O que nós temos de garantir é que o Brasil volte a crescer, a gerar empregos, e isso nós somos capazes de fazer.”

“Não gostar do presidente, querer encurtar o tempo para chegar a ser presidente e perder eleições sistematicamente não são alegações previstas na Constituição”, concluiu.

Ainda hoje, ao entregar unidades habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida, em Camaçari, na Bahia, a presidenta Dilma Rousseff discursou afirmando que tem coragem para enfrentar “todos aqueles que acham que o melhor jeito para chegar à Presidência da República é atropelar a democracia”.

Sobre a questão do impeachment, que caminha no legislativo com manobras da oposição, sobretudo do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMBD-RJ), a presidenta alertou que “podem ter certeza: o Brasil é uma democracia forte com instituições fortes, que nós construímos. Eu tive 54 milhões de votos".

Dilma exaltou os programas sociais e as estratégias de seu governo para enfrentar momentos de crise. "A melhor forma de eu agradecer os votos é honrar primeiro com programas como esse do Minha Casa, Minha Vida; segundo, honrar tendo a coragem de enfrentar as dificuldades desse momento de crise", disse. “É verdade que a gente está passando por dificuldades, mas é verdade também que, mesmo passando por dificuldades. Eu posso garantir a vocês: o país não vai parar", completou.

Os empreendimentos entregues hoje vão beneficiar mais de 30 mil pessoas e são destinados a famílias com renda de até R$ 1,6 mil (Faixa 1). Segundo o governo, o programa federal já beneficiou mais de 9,6 milhões de pessoas, com a entrega de 2,4 milhões de moradias em todo o país.

Com informações do Blog do Planalto e da Agência Brasil

registrado em: , , , ,