Home Política Rede comemora decisão do STF que ‘devolve’ janela de 30 dias para novas filiações
eLEIÇÕES

Rede comemora decisão do STF que ‘devolve’ janela de 30 dias para novas filiações

Para deputado Miro Teixeira, decisão é mais importante por restaurar um direito do que pelo potencial de atrair novos parlamentares ao partido de Marina Silva
Publicado por
19:35
Compartilhar:   
Gustavo Lima / Câmara dos Deputados
miro teixeira.jpg

Deputado Miro Teixeira, do Rio de Janeiro, deixou o Pros e se filiou à Rede Sustentabilidade em setembro

São Paulo – Uma liminar concedida na noite de ontem (9) pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, determinou a devolução integral do prazo de 30 dias para filiações aos partidos registrados no Tribunal Superior Eleitoral até a data da entrada em vigor da Lei nº 13.165/2015, a chamada minirreforma eleitoral.

A nova legislação excluiu a possibilidade de políticos detentores de mandatos migrarem de um partido para outro sem perder o cargo. Antes da nova lei, os políticos tinham 30 dias para ingressar em um novo partido. A decisão do ministro Barroso beneficia de imediato a Rede, o Partido Novo e o Partido da Mulher Brasileira. Essas agremiações têm agora 30 dias, a partir de hoje (10), para eventualmente receber deputados ou senadores de outras legendas.

O deputado Miro Teixeira (Rede-RJ) diz que a importância da decisão cautelar do Supremo é a de restabelecer um direito, e não a de ser um real fator de atração de novos parlamentares para o partido, oficializado pelo TSE em setembro.

“A decisão do STF é a restauração de um direito. Não se trata da abertura da janela (de 30 dias), que é legítimo, mas lutávamos por um princípio, um direito. Lutamos muito pela criação da Rede e agora requisitamos do Supremo o que nos era de direito e isso nos foi reconhecido”, diz Teixeira. “Não comemoramos porque tenhamos a expectativa de colocar 50 deputados dentro da Rede. Não é esse o objetivo, a questão é um direito que não pode ser desprezado. Esse é o perfil da Rede, o de lutar por direitos.”

A Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, tem hoje cinco deputados e um senador. Os deputados são Alessandro Molon (RJ), Aliel Machado (PR), Eliziane Gama (MA), João Derly (RS) e Miro Teixeira (RJ). O senador é Randolfe Rodrigues (AP).

O artigo 22-A da nova lei eleitoral não prevê, entre fatores que configuram “justa causa’ para a mudança de partido sem a perda do mandato, a criação de novas legendas. Ao proferir  a decisão, o ministro Luís Roberto Barroso avaliou que o novo dispositivo legal “estabelece obstáculos ao desenvolvimento e fortalecimento das novas agremiações”.

Segundo Barroso, “ao não incluir no rol de ‘justas causas’ a criação de novo partido, o artigo 22-A da lei inviabiliza a imediata migração de parlamentares eleitos às agremiações recém-fundadas”, disse, na decisão. “Com isso, impede que esses partidos obtenham representatividade, acesso proporcional ao fundo partidário e ao tempo de TV e rádio.”

A decisão do ministro precisa ainda ser referendada pelo plenário do tribunal, mas já tem eficácia jurídica.