Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 11 / Projeto de Sebastião Salgado será ferramenta de recuperação do Rio Doce

Olhos d'Água

Projeto de Sebastião Salgado será ferramenta de recuperação do Rio Doce

Projeto do Instituto Terra, fundado pelo fotógrafo, prevê recuperação do ecossistema no Vale do Rio Doce, onde o rompimento de barragens devastou a região
por Redação RBA publicado 13/11/2015 16h51
Projeto do Instituto Terra, fundado pelo fotógrafo, prevê recuperação do ecossistema no Vale do Rio Doce, onde o rompimento de barragens devastou a região
Roberto Stuckert Filho/PR
RSF_Dilma_Sebastiao_Salgado_Palacio_Alvorada_13112015_001.jpg

Dilma e Salgado ontem encontraram-se hoje em Brasília

São Paulo – A presidenta Dilma Rousseff encontrou-se hoje (13) com o fotógrafo Sebastião Salgado para conversar sobre a revitalização do Rio Doce utilizando ferramentas do projeto Olhos D'Água, que tem como objetivo proteger as nascentes. Organizado pelo Instituto Terra, fundado por Salgado, o projeto prevê a restauração do ecossistema, a produção de mudas de Mata Atlântica, extensão ambiental e pesquisa científica aplicada na região do Vale do Rio Doce, onde ocorrem diversas denúncias de desmatamento e uso desordenado dos recursos naturais.

Ontem (12), em Colatina (ES), durante a reunião sobre os danos ambientais causado ao Rio Doce – após o rompimento de duas barragens no distrito de Bento Rodrigues, na cidade mineira de Mariana, no último dia 5 –, Dilma recebeu a proposta de parceria com o Olhos D'Água do governador capixaba, Paulo Hartung (PMDB), com quem discutiu estratégias de recuperação do rio, devastado pela lama de rejeitos.

“Eu acho fundamental a gente ser capaz de revitalizar, recuperar o Rio Doce. Fazer, com essa ação, que a gente consiga transformar um momento de dificuldade, de crise hídrica, em uma forma de recuperar o rio", afirmou Dilma.

O governo federal já afirmou que irá multar em R$ 250 milhões a Samarco, responsável pelas duas barragens que romperam no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana. Com o despejo de rejeitos no Rio Doce, foram constatados alterações no padrão de qualidade na água, que abastece municípios dos estados de Minas Gerais e Espirito Santo. O desastre deixou sete pessoas mortas, dezenas de feridos e número desconhecido de desaparecidos.

Com informação do Blog do Planalto