Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 10 / Salários de Dilma e de Temer também terão corte de 10%

esforços

Salários de Dilma e de Temer também terão corte de 10%

Embora a medida não tenha sido anunciada pela presidenta durante cerimônia no Palácio do Planalto, a redução consta do detalhamento das medidas
por Yara Aquino, da Agência Brasil publicado 02/10/2015 17h09, última modificação 03/10/2015 12h20
Embora a medida não tenha sido anunciada pela presidenta durante cerimônia no Palácio do Planalto, a redução consta do detalhamento das medidas
Roberto Stuckert Filho/ PR
dilma e temer.jpg

Governo também criou limite de gastos com telefonia, passagens aéreas e diárias

Brasília – Além da redução de 10% nos salários dos ministros anunciada hoje (2) pela presidenta Dilma Rousseff como parte da reforma administrativa, os salários do presidente da República e do vice-presidente também sofrerão o mesmo percentual de corte.

Embora a medida não tenha sido anunciada pela presidenta durante cerimônia no Palácio do Planalto, a redução consta no detalhamento das medidas divulgado pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

Na cerimônia, Dilma também anunciou a criação da Comissão Permanente da Reforma do Estado que vai se guiar por recomendações da Câmara de Gestão e Competitividade, criada no primeiro mandato da presidenta. A comissão vai seguir também boas experiências e práticas internacionais de estruturação e organização do estado, como as difundidas pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“A gestão pública requer uma atenção que não é eventual. É uma atenção que tem de ser permanente, tem de ser sistemática e tem de ser qualificada. Porque governa-se não para os integrantes do Estado, governa-se para toda a população desse enorme país”, disse Dilma.

Dentre as medidas da reforma administrativa anunciada pela presidenta está a redução em oito do número de ministérios e secretarias. Outras ações são redução de 30 secretarias nacionais em todos os ministérios, criação de um limite de gastos com telefonia, passagens aéreas e diárias, corte de 10% na remuneração dos ministros e revisão dos contratos de aluguel e de prestação de serviço.