Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 10 / Frente Brasil Popular ocupa as ruas por retomada da agenda progressista

Dia de Luta

Frente Brasil Popular ocupa as ruas por retomada da agenda progressista

Mais de 30 cidades em 20 estados e no Distrito Federal têm atos em defesa da Petrobras, por mudanças na política econômica, com empregos e distribuição de renda, e contra a agenda golpista da direita
por Redação RBA publicado 03/10/2015 18h35, última modificação 03/10/2015 19h43
Mais de 30 cidades em 20 estados e no Distrito Federal têm atos em defesa da Petrobras, por mudanças na política econômica, com empregos e distribuição de renda, e contra a agenda golpista da direita
cut sp
frente5.jpg

Manifestantes na avenida Paulista: combate à corrupção sem distinção e retomada da agenda progressista por Dilma

São Paulo – O Dia Nacional em Defesa da Democracia, da Petrobras e contra o Ajuste Fiscal movimentou mais de 20 estados e o Distrito Federal, neste sábado (3), informaram os organizadores.

Organizados pela Frente Brasil Popular, os atos contam com a adesão de centrais sindicais, movimentos sociais e populares, entre eles, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central de Movimentos Populares (CMP), Marcha Mundial das Mulheres (MMM), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Conselho de Entidades Negras (Conem), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e União Nacional dos Estudantes (UNE) e Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conan).

"Queremos tomar as ruas do Brasil inteiro em defesa da Petrobras, em defesa da democracia, contra o golpismo, contra a política econômica e pelas reformas de base que sempre propusemos”, ressaltou o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Em São Paulo (SP), a concentração começou por volta das 14h, na Avenida Paulista, em frente ao prédio da Petrobras, e seguiu até a Praça da Sé.

O ato também marcou o aniversário de 62 anos da Petrobras, com manifesto contra as investidas de parte da oposição que quer tirar a exclusividade da empresa, tornar inoperante o regime de partilha e restabelecer o regime de concessões.

Além da defesa da Petrobras, os manifestantes exigiraem mudanças na política econômica, com medidas que garantam a retomada do crescimento, com distribuição de renda e empregos. Os atos condenaram também a agenda golpista da direita.

No Rio de Janeiro, a manifestação foi realizada ontem (2) e reuniu cerca de 800 pessoas na Praça da Candelária. A Federação Única dos Petroleitos (FUP) e os sindicatos de petroleiros do estado marcaram presença no ato, com faixas e cartazes em defesa da estatal e da companhia em benefício do povo brasileiro.

Os manifestantes também condenaram as tentativas de golpe contra a presidenta Dilma Rousseff e as campanhas de ódio de classe e intolerância.

Em Porto Alegre (RS), manifestantes ligados à centrais sindicais movimentaram o centro da capital gaúcha, na manhã de hoje. O ato também lembrou os 62 anos da estatal. Uma caminhada foi realizada entre a Prefeitura de Porto Alegre e a Praça da Alfândega, com a presença da CUT, CTB e outras entidades do setor.

A Região Metropolitana de João Pessoa (PB), também aderiu aos atos de hoje. Na cidade de Cabedelo, cerca de 500 manifestantes realizaram um protesto em defesa da Petrobras e da democracia, na manhã de hoje, de acordo com a organização.

O ato é nacional, mas a adesão da Paraíba tem um significado especial. O estado possui um porto essencial para a região, que produz uma série de recursos, e está ameaçado, segundo informou o presidente da Central Única dos Trabalhadores da Paraíba (CUT-PB), Paulo Marcelo, ao portal G1.

"Não queremos deixar que o porto de Cabedelo morra, nem que a Petrobras saia daqui do estado, pois isso acarretaria prejuízos para a Paraíba", disse.

Em Fortaleza (CE), a manifestação em defesa da Petrobras, da democracia e contra o ajuste fiscal começou por volta das 9h, na Praça da Lagoinha. O ato foi marcado pela apresentação de uma pequena peça que parodiava políticos do PSDB, como os senadores Jose Serra (SP) e Tasso Jereissati (CE). A apresentação mostrou os tucanos atuando para tirar Dilma da Presidência para poder entregar a Petrobras aos interesses estrangeiros.

Segundo afirmou o presidente do Sindicato dos Professores do Ceará(Apeoc), Anizio Melo, ao jornal "Estado de São Paulo", os recursos dos royalties e do Fundo do Pré-Sal "estão sob ataque das empresas americanas e de setores entreguistas no Congresso Nacional".

Em discurso, representantes das centrais pediram que a presidente Dilma Rousseff dê atenção especial para a classe trabalhadora e taxe as grandes fortunas.

De acordo com o presidente do PT Ceará, Diassis Diniz, cerca de 2 mil pessoas participaram do ato, a maioria de trabalhadores rurais vindos em caravanas do interior cearense.

Com reportagens da Agência PT de Notícias