Home Política ‘Caminho do meio escolhido por Dilma para aposentadorias foi inteligente’, diz Vannuchi
fim do fator

‘Caminho do meio escolhido por Dilma para aposentadorias foi inteligente’, diz Vannuchi

Analista destaca disposição da presidenta em ceder e classifica como razoável a alternativa proposta para substituir o fator previdenciário
Publicado por Redação RBA
13:05
Compartilhar:   
Valter Campanato/ABR
Vigília

Sem mobilização dos trabalhadores, solução poderia ter sido ‘muito pior’, afirma Vannuchi

São Paulo – O analista político da Rádio Brasil Atual, Paulo Vannuchi, classifica hoje (19) como “razoável e inteligente” a postura da presidenta Dilma, que vetou a lei de conversão da Medida Provisória (MP) 664, que permitia substituir o fator previdenciário do cálculo das aposentadorias, e editou nova MP em que assegura a fórmula 85/95, aprovada pelo Congresso como alternativa ao fator, mas introduz uma regra de progressividade.

O analista diz que a presidenta optou pelo “caminho do meio”. “É como se ela nem vetasse, nem aprovasse. Ela fez um veto que não é bem um veto”, destaca o analista. “Todo caminho do meio sempre cria apoio, de um lado e de outro, e descontentamento, de um lado e de outro.” O mais importante, para Vannuchi, é que Dilma “conseguiu sair das cordas”, no tema das aposentadorias, e, principalmente, porque a presidenta “esteve disposta a ceder”.

Na democracia, no diálogo com os movimentos sociais, um governante precisa estar disposto a ceder. Dilma parece que tem dificuldade com essa ideia. Ela é muito firmada na questão da sua firmeza, da sua autoridade, da sua capacidade em ser enérgica e, nesse sentido, ela exagera, é dura, em momentos que era melhor ser flexível”, comenta o analista.

“Em uma boa democracia, o presidente não governa só com as suas opiniões pessoais. Ele ouve, ele dialoga com adversários”, ressalta Vannuchi.

O analista destaca também a mobilização das centrais sindicais, em especial da CUT, que ainda seguem discutindo pela melhor solução. “Seria muito pior se a classe trabalhadora não tivesse ido pressionar, fazer a vigília, o acampamento de vários dias. Às vezes, enfrentando inclusive a truculência policial.”

Confira o comentário completo para a Rádio Brasil Atual: