Você está aqui: Página Inicial / Política / 2015 / 05 / Para Vannuchi, governo e centrais devem negociar alternativa para o fator previdenciário

ajuste

Para Vannuchi, governo e centrais devem negociar alternativa para o fator previdenciário

Saída negociada com movimento sindicais colaboraria para reduzir o desgaste provocado pela aprovação das medidas do ajuste, diz o analista
por Redação RBA publicado 15/05/2015 13h54, última modificação 15/05/2015 14h37
Saída negociada com movimento sindicais colaboraria para reduzir o desgaste provocado pela aprovação das medidas do ajuste, diz o analista
Dino Santos/CUT
Centrais

Ajuste na Previdência deve ser negociado com as centrais sindicais, diz Vannuchi

São Paulo – O analista político da Rádio Brasil Atual, Paulo Vannuchi, afirma em seu comentário de hoje (15) que governo e movimento sindical devem sentar juntos à mesa de negociação para buscar uma alternativa "razoável para os dois lados" ao fator previdenciário, derrubado por emenda à Medida Provisória 664, que foi aprovada pela Câmara na última quarta-feira (13) e altera o acesso a outros direitos, como auxílio-doença e pensão por morte.

Em substituição ao fator, a emenda aprovada pela Câmara traz a fórmula 85/95, anteriormente defendida pelas centrais sindicais, que determina o somatório entre a idade do trabalhador e o tempo de contribuição (85 anos para mulheres, 95 para homens) para que o valor da aposentadoria não sofra redução. O governo teme que a proposta provoque desequilíbrios e comprometa a sustentabilidade da Previdência.

"Esse é um problema para ser enfrentando pelo Brasil, por qualquer tipo de governo", lembrou o analista, relacionando o aumento na expectativa de vida da população com a necessidade de mudanças nas regras da aposentadoria.

Para Vannuchi, a negociação com as centrais é uma oportunidade para o governo Dilma reduzir o desgaste causado pela aprovação das medidas do ajuste que, segundo o analista, foram feitas sem o devido diálogo e entendimento com o movimento sindical.

"O custo (político) dessas duas MPs está sendo altíssimo, muito mais alto do que os benefícios", afirmou Vannuchi.

Ouça o comentário completo na Rádio Brasil Atual: