Home Política Para professor de jornalismo, ação de repórter da ‘Veja Brasília’ foi criminosa
invasão de propriedade

Para professor de jornalismo, ação de repórter da ‘Veja Brasília’ foi criminosa

Revista admite ter publicado informações falsas sobre o ex-presidente Lula em publicação do último dia 18; jornalista Laurindo Lalo Leal Filho analisa: 'Estamos chegando ao limite da barbárie'
Publicado por Helder Lima, da RBA
17:58
Compartilhar:   
arquivo rba
lalo

Lalo: “O exercício do jornalismo tem limites, é preciso compreender isso”

São Paulo – O site da revista Veja Brasília (Editora Abril) divulgou nota na noite de ontem (2), em que admite ter publicado informações inverídicas sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em matéria com o título ‘Celebração estrelada’, à página 16 da publicação impressa de 18 de fevereiro. A matéria fazia referência a uma suposta festa em homenagem a um sobrinho do ex-presidente, chamado Thiago, que seria realizada no bufê Aeropark, no Distrito Federal, para receber 180 crianças ao custo de R$ 220 mil. Pelo texto, de autoria do repórter Ulisses Campbell, cada criança teria recebido de antemão um iPad, com mensagem de incentivo à prática de esportes, gravada pelo lateral do Flamengo Léo Moura.

“Pelo equívoco, Veja Brasília se desculpa com seus leitores e, mesmo que a nota não contivesse conotação negativa, se desculpa também com o ex-presidente e sua família por quaisquer transtornos que possa ter ocasionado.”

A nota foi divulgada depois que o Instituto Lula já havia desmentido a publicação. “Lamentamos que a revista publique informações falsas sem nem sequer checar a informação e que perfis da internet, como os do blogueiro Felipe Neto, o da apócrifa Folha Política, e o do site Implicante, entre outras pessoas e veículos de boa e má-fé, repliquem tal absurdo”, afirmou o Instituto Lula.

Além do desmentido ao texto, Frei Chico, irmão do ex-presidente Lula, registrou boletim de ocorrência contra o jornalista Ulisses Campbell, por ele ter invadido o condomínio onde mora, tentando se passar por vendedor de livros para interrogar a babá de seu filho.

Em contato com a RBA, o sociólogo e jornalista Laurindo Lalo Leal Filho, o Lalo, afirma que a ação do jornalista da revista Veja Brasília tem teor criminoso: “Isso é um crime, foi cometido um crime de invasão de propriedade, estamos chegando ao limite da barbárie. E não se pode responsabilizar apenas o malfeitor, ele faz parte de um processo estruturado pelas empresas de comunicação. Se os profissionais não tiverem uma formação ética forte, eles acabam sendo envolvidos por esse clima de vale-tudo para atacar governos populares”.

Para Lalo, em casos como esse há diferentes níveis de reação de profissionais de redação. “Alguns se revoltam e abandonam a profissão; outros têm úlcera e vão para o psicólogo”, diz. Mas ele acredita que a maioria se adapta à situação de falta de ética “e passa a acreditar que está fazendo um serviço de utilidade pública ou de defesa da sociedade”.

“O envolvimento dos jornalistas com a empresa é muito grande, é possível perceber isso por meio dos textos publicados. E, atualmente, passamos por um limite extremo de um processo que vem de há muito tempo”, avalia.

Ele considera que, apesar disso, o jornalismo brasileiro tem exemplos de excelentes matérias investigativas, sem haver necessidade de romper os limites da legalidade. “Há limites legais, você não pode invadir propriedades.”

O mais recente episódio da revista da Abril mostra “uma falta de ética e de seriedade na profissão do jornalista hoje”. Professor de comunicação, Lalo também acredita que “é preciso resgatar o uso da deontologia da comunicação” nos cursos de jornalismo – essa disciplina trata do exercício profissional sempre na perspectiva da moral. “Muitas vezes parece que o jornalista não se cerca de limites legais. O assunto deve ser tratado da mesma forma que a liberdade de expressão, ou seja, há limites, não só legais. O exercício do jornalismo tem limites, é preciso compreender isso.”

Erramos: Nota de esclarecimento aos leitores

registrado em: , ,